Mulher e Trabalho: Igualdade Material e Formal – Uma Utopia Necessária

João Mateus Silva Fagundes Oliveira, Natália Maria Reis Oliveira Furtado

Resumo


Objetiva refletir acerca da situação feminina perante o direito do trabalho, e, para isso, utiliza o método dedutivo e a investigação bibliográfica. Considera a atual situação como produto de um processo longo e inacabado, mas em dissolução, em decorrência dos novos paradigmas sociais. Reconhece a evolução dos direitos das mulheres, numa análise histórica da doutrina e da legislação, em termos constitucionais, civis e trabalhistas. Ademais, destaca a ineficiência dos instrumentos de tutela, incapazes de converter a igualdade formal em material. Discute, ainda, a inércia adotada pelos poderes Legislativo e Judiciário, com relação à condição da mulher na sociedade brasileira. Conclui a perpetuação desse processo numa Câmara predominantemente masculina, cujos textos eivados por ideais ainda conservadores não coadunam à dignidade da pessoa humana, à qual o Brasil se propôs em sua Lei Maior.

Palavras-chave


gênero; direito do trabalho; legislação

Referências


BARROS, Alice M. de. A mulher e o direito no trabalho. São Paulo: LTr, 1995.

BRASIL. Código civil (1916). Código civil comparado: Lei n. 3.071, de 1º-1-1916 x lei n. 10.406, de 10-1-2002. São Paulo: Saraiva, 2002.

______. Código eleitoral (1932). Código eleitoral da República dos Estados Unidos do Brasil. Decreto n. 21.076, de fevereiro de 1932. Edição especial. Brasília: Secretaria de Documentação e Informação, 2004.

______. Consolidação das Leis do Trabalho. 12. ed. São Paulo: Rideel, 2011. Vade Mecum.

______. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. 12. ed. São Paulo: Rideel, 2011. Vade Mecum.

______. Lei n. 9.029, de 13 de abril de 1995. Proíbe a exigência de atestados de gravidez e esterilização, e outras práticas discriminatórias, para efeitos admissionais ou de permanência da relação jurídica de trabalho, e dá outras providências. 12. ed. São Paulo: Rideel, 2011. Vade Mecum.

______. Lei de 15 de outubro de 1827. Manda criar escolas de primeiras letras em todas as cidades, vilas e lugares mais populosos do Império. Disponível em: . Acesso em: 7 ago. 2012.

CAIRO JÚNIOR, José. Curso de direito do trabalho. 9. ed. rev., ampl. e atual. Salvador: Juspodivm, 2014.

CAMARGO, Margarida M. L. Hermenêutica e argumentação: uma contribuição ao estudo do direito. 3. ed. rev. e atual. Rio de Janeiro: Renovar, 2003.

DALLARI, Dalmo de A. Elementos de teoria geral do estado. 22. ed. São Paulo: Saraiva, 2001.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Síntese de indicadores sociais 2008: uma análise das condições de vida da população brasileira. Rio de Janeiro, 2008.

JORGE NETO, Francisco Ferreira; CAVALCANTE, Jouberto de Quadros Pessoa. Direito do trabalho. 4. ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2008.

LUZ, Alex F. da; FUCHINA, Rosimeri. A evolução histórica dos direitos da mulher sob a ótica do direito do trabalho. Origem dos estados. In: Programa de Pós-Graduação em Ciência Política da UFRGS. Anais do II Seminário Nacional de Ciência Política da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Nova Prova, 2009, p. 1886-99. Disponível em: . Acesso em: 7 ago. 2012.

MALUF, Sahid. Origem dos estados. In: ______. Teoria geral do Estado. 23. ed. rev. atual. por Miguel Malufe Neto. São Paulo: Saraiva, 1995. Cap. 11, p. 61-5.

MARTINEZ, Luciano. Curso de direito do trabalho. São Paulo: Saraiva, 2010.

NADER, Paulo. Introdução ao estudo do direito. 23. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2010.

RAWLS, John. Uma teoria da justiça. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

TONELLO, Márcia N. A longa caminhada da mulher no Brasil. Guia do Estudante Atualidades Vestibular + ENEM. São Paulo. Abril, v. 13, p. 120-4, 1º semestre, 2011.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

 

Thesis Juris

 

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma  Licença Creative Commons Attribution 4.0