O DIREITO CONSTITUCIONALIZADO E AS ESFERAS JURÍDICAS PÚBLICA E PRIVADA: É (CONTRA)PRODUCENTE FALAR NESSA DISTINÇÃO?

Iuri Bolesina, Jorge Renato dos Reis

Resumo


Sob a lógica da constitucionalização do direito e através dos aportes da fenomenologia, intenta-se um estudo jurídico e crítico acerca da (in)existência da dicotomia jurídica público-privado e o seu valor no direito contemporâneo. Assim, no primeiro item realizou-se uma abordagem conceitual e histórica sobre a codificação no direito privado e a sua importância na afirmação da existência da distinção jurídica entre público e privado. Em seguida, o estudo dedicou-se a elucidar o fenômeno da constitucionalização do direito privado, realizando-se uma análise teórica deste movimento jurídico, dando-se destaque ao cenário brasileiro. Ao final, trabalhou-se com as ideias de dicotomia jurídica entre o público e o privado, de intersecções jurídicas entre o público e o privado e de unicidade do sistema. Em conclusão tem-se que se falar em dicotomia público-privado ou em intersecções jurídicas entre o público e o privado é contraproducente. Mais adequado seria tratar o público e o privado, no âmbito jurídico, como dimensões de cada direito ou dever.

Palavras-chave


Direito privado constitucionalizado; Dicotomia jurídica público-privado; Unicidade da ordem jurídica.

Referências


AGRA. Walber de Moura. Curso de Direito Constitucional. 6 ed. Rio de Janeiro: Forense, 2010.

ALEXY, Robert. Teoria dos direitos fundamentais. São Paulo: Malheiros, 2008.

ARONNE, Ricardo. Direito civil-constitucional e teoria do caos: estudos preliminares. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2006.

______. Sistema Jurídico e Unidade Axiológica. Os Contornos Metodológicos do Direito Civil Constitucional. In: Revista do Instituto do Direito Brasileiro, v. 01, p. 73-114, 2013.

BARROSO, Luis Roberto. O Estado contemporâneo, os direitos fundamentais e a redefinição da supremacia do interesse público. In: SARMENTO, Daniel (org.). Interesses públicos versus interesses privados: desconstruindo o princípio de supremacia do interesse público. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2010, p. p. Vii-XVIII.

______. Direito constitucional contemporâneo: os conceitos fundamentais e a construção do novo modelo. 2ed. São Paulo: Saraiva, 2010.

BOBBIO, Norberto. Estado, governo e sociedade: para uma teoria geral da política. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2010.

BOLESINA, Iuri; DIAS, Felipe da Veiga. A decisão judicial mais adequada à constituição personificada no atual constitucionalismo brasileiro e o paradigma da roupa invisível da interpretação positivista. In: CIRAILINI, Alvaro Luis de A. S. (Org.). Temas de jurisdição constitucional e cidadania: linguagem, racionalidade e legitimidade das decisões judiciais. Brasília: IDP, 2014, v. 1, p. 114-144.

CAENEGEM, R.C. Van. Uma introdução histórica ao Direito Privado. Trad. Carlos Eduardo Lima Machado. São Paulo:Martins Fontes. 2000.

CANARIS, Claus-Wihelm. Direitos Fundamentais e Direito Privado Tradução de Ingo Wolfgang Sarlet e Paulo Mota Pinto. Coimbra: Almedina, 2003.

CANOTILHO, J. J. Gomes. Direito constitucional e teoria da constituição. Coimbra: Almedina, 1997.

CONSCIÊNCIA, Eurico Heitor. Breve introdução ao estudo de direito. 2. ed. rev. Coimbra: Almedina, 2004.

DALLARI, Dalmo de Abreu. A constituição na Vida dos povos: da idade média ao século XXI. São Paulo: Saraiva, 2010.

DAVID, René. Os grandes sistemas do direito contemporâneo. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

FACHIN, Luiz Edson. Direito Civil: sentidos, transformações e fim. Rio de Janeiro: Renovar, 2015.

______. Estatuto jurídico do patrimônio mínimo. 2 ed. Rio de Janeiro: Renovar. 2006.

______. Questões do direito civil brasileiro contemporâneo. Rio de Janeiro: Renovar, 2008.

______. Teoria Crítica do Direito Civil. Rio de Janeiro: Renovar, 2003.

FERRAJOLI, Luigi. Garantismo. Una discusión sobre derecho y democracia. Madrid: Trotta, 2006.

FINGER, Júlio César. Constituição e direito privado: algumas notas sobre a chamada constitucionalização do direito civil. In: SARLET, Ingo Wolfgang (org.) A constituição concretizada: construindo pontes com o público e o privado. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2000, p. 85-106.

GENY, François. Méthode d’interprétation et sources en droit privé positif. T. I. Paris: Librairie Générale de Droit & Jurisprudence, 1932.

GERVASONI, Tamiris Alessandra; BOLESINA, Iuri. O dever (constitucional) de proteção aos direitos fundamentais e o controle jurisdicional de políticas públicas. Santa Cruz do Sul: Essere nel Mondo, 2014.

GRAU, Eros Roberto. Por que tenho medo dos juízes: a interpretação/aplicação do direito e os princípios. 6 ed. São Paulo: Malheiros, 2013.

GUSMÃO, Paulo Dourado de. Introdução ao estudo do direito. 30. ed., rev. com alt. Rio de Janeiro: Forense, 2001.

HERRERA, Carlos Miguel. Estado, Constituição e direitos sociais. In: Direitos Sociais: fundamentos, judicialização e direitos sociais em espécie. SOUZA NETO. Cláudio Pereira; SARMENTO, Daniel (orgs.). Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2010.

HESSE, Konrad. A força normativa da constituição. Tradução de Gilmar Ferreira Mendes. Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris, 1991.

KELSEN, Hans. Teoria pura do direito. Trad. João Baptista Machado. 6 ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

LACERDA, Dennis Otte. Direitos da personalidade na contemporaneidade. Porto Alegre: Sério Antonio Fabris, 2010.

LIMA, Iara Menezes. Escola da Exegese. In: Revista Brasileira de Estudos Políticos, v. 97, 2008, pp. 105-122.

LÔBO, Paulo. A constitucionalização do direito civil brasileiro. In: TEPEDINO, Gustavo (org.) Direito civil contemporâneo: novos problemas à luz da legalidade constitucional. São Paulo: Atlas, 2008, p. 18-28.

______. Constitucionalização do direito civil. In: Revista de Informação Legislativa, Brasília, v. 141, 1999, p. 99-109.

______. Direito Civil: parte geral. 4. ed. São Paulo: Saraiva, 2013.

LOPES, José Reinaldo de Lima. O direito na história: lições introdutórias. São Paulo: Max Limonad, 2000.

LORENZETTI, Ricardo Luis. Fundamentos do direito privado. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1998.

LUDWIG, Marcos de Campos. Direito público e direito privado: a superação da dicotomia. In: MARTINS-COSTA, Judith (Org.). A reconstrução do Direito Privado: reflexos dos princípios, diretrizes e direitos fundamentais constitucionais no direito privado. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2002.

LUIZ, Fernando Vieira. Teoria da decisão judicial: dos paradigmas de Ricardo Lorenzetti à resposta adequada à Constituição de Lenio Streck. Porto Alegre: Livraria do Advogado: 2013.

MARTINS-COSTA, Judith. A boa-fé no direito privado. São Paulo: RT, 1999.

______. Os direitos fundamentais e a opção culturalista do novo código Civil. In: SARLET, Ingo Wolfgang (org). Constituição, Direitos Fundamentais e Direito Privado. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2006.

MENKE, Fabiano. A interpretação das cláusulas gerais: a subsunção e a concreção dos conceitos. In: Revista da AJURIS, Porto Alegre, n. 103, ano XXXIII, p. 69-94, 2006.

NADER, Paulo. Introdução ao estudo do direito. 28. ed., rev. e atual. Rio de Janeiro: Forense, 2007.

NUNES, Rizzatto. Manual de introdução ao estudo do direito. 3. ed. São Paulo: Saraiva. 2011.

PERLINGIERI, Pietro. A doutrina do direito civil na legalidade constitucional. In: TEPEDINO, Gustavo (org.) Direito civil contemporâneo: novos problemas à luz da legalidade constitucional. São Paulo: Atlas, 2008, p. 1-11.

REIS, Jorge Renato dos. A constitucionalização do Direito Privado: algumas considerações para análise. In: Revista Atos e Fatos, v. 1, p. 126-139, 2009.

______. Os direitos fundamentais de tutela da pessoa humana nas relações entre particulares. In: REIS, Jorge Renato dos; LEAL, Rogério Gesta. (orgs.) Direitos sociais e políticas públicas: desafios contemporâneos. Tomo 7. Santa Cruz do Sul: Edunisc, 2007, p. 2033-2064.

REIS, Jorge Renato dos; CERQUEIRA, Katia Leão. Apresentação. In: REIS, Jorge Renato dos; CERQUEIRA, Katia Leão (Orgs). Intersecções jurídicas entre o público e o privado. Santa Cruz do Sul: IPR, 2013, pp. 9-10.

REIS, Jorge Renato dos; ZIEMANN, Aneline. Constitucionalismo Contemporâneo e Princípio da Solidariedade: intersecções jurídicas. In: Anais do X Seminário Internacional Demandas Sociais e Políticas Públicas na Sociedade Contemporânea e VI Mostra de Trabalhos Jurídicos Científicos, Santa Cruz do Sul, 2013.

ROBERTO, Giordano Bruno Soares. Introdução à história do direito privado e da codificação. 2 ed. Belo Horizonte: Del Rey, 2008.

SALDANHA, Nelson. O jardim e a praça: o privado e o público na vida social e histórica. Recife: Atlântica, 2005.

SARLET, Ingo Wolfgang. Breves notas sobre a contribuição dos princípios para a renovação da jurisprudência brasileira. In: TEPEDINO, Gustavo (org.) Direito civil contemporâneo: novos problemas à luz da legalidade constitucional. São Paulo: Atlas, 2008, p. 296-310.

______. Direitos fundamentais e o direito privado: algumas considerações em torno da vinculação dos particulares aos direitos fundamentais. In: SARLET, Ingo Wolfgang (org.) A constituição concretizada: construindo pontes com o público e o privado. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2000, p. 107-163.

SARMENTO, Daniel. Interesses públicos vs. interesses privados na perspectiva da teoria e da filosofia constitucional. In: SARMENTO, Daniel (org.). Interesses públicos versus interesses privados: desconstruindo o princípio de supremacia do interesse público. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2010, p. 23-118.

SAVIGNY, Friedrich. De la vocación de nuestro siglo para la legislación y la ciencia del derecho. Madrid: La España Moderna, 1946.

SCHWABE, Jürgen. Cinqüenta Anos de Jurisprudência do Tribunal Constitucional Alemão. Traduzido por Beatriz Hennig. et al. Organizado por Leonardo Martins. Montevidéu: Konrad Adenauer – Stiftung, 2005.

STRECK, Lenio Luiz. Jurisdição constitucional e decisão jurídica. 3 ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2013a.

______. O que é isto – decido conforme minha consciência. 2 ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2010.

______. Porque a discricionariedade é um grave problema para Dworkin e não o é para Alexy. In: Revista Direito e Práxis, v. 4, p. 343-367, 2013b.

______. Verdade e consenso: Constituição, hermenêutica e teorias discursivas. 4 ed. São Paulo: Saraiva, 2012.

TEPEDINO, Gustavo. Introdução: crise de fontes normativas e técnica legislativa na parte geral do Código Civil de 2002. In: TEPEDINO, Gustavo. (coord.), A parte geral do novo código civil: estudos na perspectiva civil-constitucional. 3. ed. Rio de Janeiro: Renovar, pp. XV-XXXIII, 2007.

______. O direito civil constitucional e suas perspectivas atuais. In: TEPEDINO, Gustavo (org.) Direito civil contemporâneo: novos problemas à luz da legalidade constitucional. São Paulo: Atlas, 2008, p. 356-371.

TIMM, Luciano Benetti. O novo direito civil: ensaios sobre o mercado, a reprivatização do direito civil e a privatização do direito público. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2008.

UBILLOS, Juan María Bilbao. Eficacia horizontal de los derechos fundamentales: Las teorias y la pratica. In: TEPEDINO, Gustavo (org.) Direito civil contemporâneo: novos problemas à luz da legalidade constitucional. São Paulo: Atlas, 2008, p. 219-237.

WIEACKER, Franz. História do direito privado moderno. 4. ed. Trad. de A.M.Botelho Hespanha. Lisboa:Fundação Calouste Gulbenkian. 2010.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

 

Thesis Juris

 

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma  Licença Creative Commons Attribution 4.0