A AUTONOMIA DA GESTÃO DAS ENTIDADES GESTORAS DO FUTEBOL BRASILEIRO

Lucas do Monte Silva

Resumo


Com o fracasso da seleção brasileira na busca pelo hexacampeonato na Copa do Mundo 2014, provocou-se diversos debates quanto a possibilidade de uma reformulação da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e, por extensão, da forma de gestão dos clubes brasileiros, bem como trouxe à tona discussões sobre o nível de autonomia que tais entes possuem no Brasil. Utiliza-se dessa derrota como um ponto de partida para uma mudança paradigmática na forma de gestão do esporte brasileiro e, mais especificamente, a gestão do esporte mais popular do Brasil, o futebol. Dessa discussão, sob uma ótica jurídica,  engendra-se dois questionamentos, os quais servem de premissa lógica para responder a hipótese levantada pelo artigo: É viável a intervenção do Estado na gestão das entidades gestoras do futebol brasileiro? Caso ela seja possível, qual seria o limite da intervenção estatal nessa esfera, isto é, em quais âmbitos seria positiva a ingerência do governo, sem prejudicar a autonomia de tais entes? Para responder esses questionamentos, utilizou-se da pesquisa bibliográfica e do método hipotético-dedutivo, com o objetivo de verificar tal possibilidade, levando em consideração a legislação infraconstitucional e constitucional do ordenamento jurídico brasileiro

Referências


ALVES, José Antônio Barros; PIERANTI, Octavio Penna. O estado e a formulação de uma política nacional de esporte no Brasil. RAE electron.,  São Paulo ,  v. 6, n. 1, June  2007. Disponível em: . Acesso em: 12 ago. 2014.

BANDEIRA DE MELLO, Celso Antônio. O conceito de normas gerais no direito constitucional brasileiro. Interesse Público – IP, Belo Horizonte, ano 13, n. 66, mar./abr. 2011.

BASTOS, Noel de Oliveira. Falibilidade do critério de intervenção para delimitação do modelo de estado liberal. Revista Direito e Liberdade - ESMARN - v. 12, n. 2, p. 197 –210 – jul/dez 2010.

BRASIL. CÂMARA DOS DEPUTADOS. Projeto limita reeleição de dirigentes de entidades esportivas. Disponível em: . Acesso em: 21 ago. 2014.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. ADI 3045. Relator: Min. Cezar Peluso. Data de julgamento: 10/08/2005

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. ADI 2937. Relator: Min. Cezar Peluso. Data de julgamento: 23/02/2012.

BRESSER PEREIRA, L.C.; GRAU, N.C. Entre o Estado e o mercado: o público não-estatal. In: BRESSER PEREIRA, L.C.; GRAU, N.C. O público não-estatal na reforma do Estado. Rio de Janeiro: FGV, 1999. p. 15-47.

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE FUTEBOL. Constituição (1). Estatuto nº 1, de 8 de junho de 1914. Estatuto da Cbf. única. ed. Rio de Janeiro, RJ.

FOLHA DA REGIÃO. Futebol e política não se misturam, diz Parreira. Disponível em: . Acesso em: 11 ago. 2014.

GUERRA, Sérgio. Função normativa das agências reguladoras: uma nova categoria de direito administrativo?. Rev. direito GV,  São Paulo ,  v. 7, n. 1, June  2011.

MARQUES NETO, Floriano de Azevedo. Limites à Abrangência e à Intensidade da Regulação Estatal. Revista de Direito Público da Economia – RDPE, n. 01, p. 67-93, jan.-mar. 2003.

MARTINS, Pedro A. Batista. Validade de Vinculação e Submissão Objetiva e Subjetiva à Court of Arbitration for Sports. Curso de Direito Desportivo Sistêmico. São Paulo : Quartier Latim, 2007.

MELO FILHO, A. Direito Desportivo: Novos rumos. Belo Horizonte: Editora Del Rey, 2004.

OLIVEIRA, Gustavo Justino. Governança Pública e parcerias do Estado: Novas Fronteiras do Direito Administrativo. Revista de Direito da Procuradoria Geral do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Edição Especial, Abril 2012.

OLIVEIRA, Vânia Aparecida Rezende de; PEREIRA, José Roberto. O Público Estatal e Não Estatal na Delimitação do Campo da Gestão Pública. Encontro de Administração Pública e Governo. Salvado/BA – 18 a 20 de Novembro de 2012.

ROCHA, Luiz Guilherme Burlamaqui Soares Porto. A outra razão: os presidentes de Futebol entre práticas e representações. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal Fluminense. 2013.

SANTOS, L.M.V. A Evolução da Gestão no Futebol Brasileiro. Dissertação de Mestrado. Fundação Getúlio Vargas/ Escola de Administração de Empresas de São Paulo: São Paulo, 2002.

SILVA, J.A.F; AMORIM FILHO, M.H. A Gestão de Clubes de Futebol – Regulação, Modernização e Desafios para o Esporte no Brasil. Revista Interesse Nacional, ano 5, n. 18, jul-set 2012.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

 

Thesis Juris

 

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma  Licença Creative Commons Attribution 4.0