Conquistas Jurídicas ou Práticas Sociais: Que são Direitos Humanos?

Leilane Serratine Grubba

Resumo


O artigo tem por objeto os direitos humanos e objetiva investigar se os direitos humanos devem ser compreendidos como direitos positivados ou como o resultado das práticas sociais. No primeiro capítulo, delimitou-se conceitualmente o marco de investigação dos direitos humanos. No segundo, abordou-se a possibilidade de considerar os direitos humanos como direitos positivados internacionalmente. No terceiro, aventou-se considerar os direitos humanos como o resultado teórico das práticas sociais concretas.

Palavras-chave


Direitos Humanos; Direito Positivo; Empoderamento.

Referências


ALDUNATE, José (Org.). Direitos humanos, direitos dos pobres. Série V. Desafios da vida na sociedade. São Paulo: Vozes, 1991.

BOBBIO, Norberto. A era dos direitos. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.

BOFF, Leonardo. Ecología: grito de la tierra, grito de los pobres. Espanha: Madri: Trotta, 1996.

BOURDEAU, Georges. O Estado. Publicações Európa-América, 1970.

DUSSEL, Enrique. Filosofía de la liberación. México: Edicol, 1977.

FERNÁNDEZ GARCÍA, Eusébio. Dignidad humana y cidadania cosmopolita. Cuadernos Bertomolé de Las Casas 21. Madrid: Instituto de Derechos Humanos Bartolomé de Las Casas/Universidad Carlos III. Madrid: Dykinson, 2001. p. 20. Disponível em: . Acesso em 12 dez. 2010.

FLEINER, Thomas, O que são direitos humanos? São Paulo: Editora Mas Limonad, 2003.

GRUBBA, Leilane Serratine. O ensino dos direitos humanos: a poesia como forma de libertação do desejo. In. Revista Direitos Culturais. v. 5., n. 9., Santo Ângelo: Edi URI, 2010, p. 99-108. Disponível em: .

HELLER, Hermann. Teoria do Estado. São Paulo: Mestre JOU, 1968.

HERRERA FLORES, Joaquín. A reinvenção dos direitos humanos. Florianópolis: Fundação Boiteux, 2009a.

______. Teoria crítica dos direitos humanos: os direitos humanos como produtos culturais. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2009b.

HINKELAMMERT, Franz. Cultura de la espranza y sociedade sin exclusión. San José: DEI, 1995.

LAMY, Eduardo de Avelar; RODRIGUES, Horácio Wanderlei. Curso de processo civil: teoria geral do processo, vol.1. Florianópolis: Conceito Editorial, 2010.

LYRA FILHO, Roberto. O que é direito? São Paulo: Brasiliense, 1982.

MARTÍN-BARÓ, Ignacio. Psicología de la liberación. Espanha, Madri: Trotta, 1988.

MIAILLE, Michel. Uma introdução crítica ao direito. Lisboa: Moraes, 1979.

NAÇÕES UNIDAS. Relatório de desenvolvimento humano 2010. A verdadeira riqueza das nações: vias para o desenvolvimento humano. Disponível em: . Acesso em: 30 mar. 2011.

PERES LUÑO, Antonio Enrique. Derechos humanos, estado de derecho y constituición. 5. ed. Madrid: Tecnos, 1995.

POPPER, Karl. O conhecimento e o problema corpo-mente. Lisboa: Edições 70, 1996.

SÁNCHEZ RUBIO, David. Desafios da contemporaneidade do direito: diversidade, complexidade e direitos humanos. XIX Congresso nacional do COMPEDI (conselho nacional de pesquisa e pós-graduação em direito). Florianópolis, palestra do dia 13 out. 2010.

______. Filosofía, derecho y liberación en América Latina. Espanha: Editorial Desclée de Brouwer, Bilbao, 1999.

SARLET, Ingo Wolfgang. A eficácia dos direitos fundamentais: uma teoria geral dos direitos fundamentais na perspectiva constitucional. 10. ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado Editora, 2010.

SEN, Amartya. Poverty and Famines: na essay on Entitlement and Deprivation. Nova Iorque: Oxford University Press. 1983.

WARAT, Luis Alberto. A ciência jurídica e seus dois maridos. 2.ed. Santa Cruz dos Sul: EDUNISC, 2000.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

 

Thesis Juris

 

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma  Licença Creative Commons Attribution 4.0