JURISPRUDÊNCIA LÍQUIDA: REFLEXÕES CRÍTICAS SOBRE A FRAGILIDADE JURISPRUDENCIAL BRASILEIRA

Thiago Aguiar Pádua

Resumo


O presente artigo realiza uma breve análise sobre a fragilidade da jurisprudência brasileira, realizando uma arqueologia das ideias sobre como tema era tratado na revista jurídica da mais antiga faculdade de direito do brasil, a Universidade de São Paulo, perpassando pela discussão sobre a provocação do ministro Edson Fachin sobre o fato de o brasil não possuir jurisprudência.

Palavras-chave


Jurisprudência; Arqueologia das Ideias; Análise Crítica.

Referências


ARRUDA, João. Simplificação processual. Revista da Faculdade de Direito de São Paulo, v. 20 (1912).

ALMEIDA JUNIOR, João Mendes de. O ensino do direito. Revista da Faculdade de Direito de São Paulo, v. 20 (1912).

BARNETT, Randy E. Constitutional Clichés. Capital University Law Review, v. 36, 2008.

BARROSO, Luís Roberto. Uniões Homoafetivas: Reconhecimento Jurídico das Uniões Estáveis entre Parceiros do Mesmo Sexo. Revista Direito.UnB – Revista de Direito da Universidade de Brasília, v. 01, n. 01, jan.-jun. de 2014.

BRUTAU, José Puig. La jurisprudencia como fuente del derecho. Barcelona: Bosch, s/d.

CAMPOS, Carlos Alexandre de Azevedo. Dimensões do Ativismo Judicial do STF. Rio de Janeiro: Forense, 2014, p. 43;

CAMPOS, Carlos Alexandre de Azevedo. A Evolução do Ativismo Judicial na Suprema Corte Norte-Americana (I). RIDB, Ano 2, nº 6, 2013;

CAMPOS, Carlos Alexandre de Azevedo. A Evolução do Ativismo Judicial na Suprema Corte Norte-Americana (II). RIDB, Ano 2, nº 7, 2013;

CAMPOS, Carlos Alexandre de Azevedo. Explicando o avanço do Ativismo Judicial do Supremo Tribunal Federal. RIDB, Ano 2, nº 8, 2013.

CANOTILHO, J. J. Gomes. “Brancosos” e Interconstitucionalidade: Itinerários dos Discursos sobre a Historicidade Constitucional. 2ª edição. Coimbra: Almedina, 2008.

CARDOZO, Benjamin N. A Natureza do processo judicial. Tradução de Silvana Vieira. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

CARÚS GUEDES, Jefferson. Igualdade e Desigualdade: Introdução conceitual, normativa e histórica dos princípios. São Paulo: RT, 2014.

CARVALHO, Antonio Amancio Pereira de. Os narcotisadores. Revista da Faculdade de Direito de São Paulo, v. 12 (1904).

CARVALHO, Antonio Amancio Pereira de. Afogamento. Revista da Faculdade de Direito de São Paulo, v. 13 (1905).

CARVALHO, Antonio Amancio Pereira de. A morte subita. Revista da Faculdade de Direito de São Paulo, v. 10 (1902).

CARVALHO, Antonio Amancio Pereira de. O cadáver. Revista da Faculdade de Direito de São Paulo, v. 13 (1905).

CLÈVE, Clèmerson Merlin. Apresentação. In: BARBOZA, Estefânia Maria de Queiroz. Precedentes judiciais e segurança jurídica: fundamentos e possibilidades para a jurisdição constitucional brasileira. São Paulo:Saraiva, 2014.

CORRÊA DA SILVA, Raphael. Da menagem e da lesa-majestade. Revista da Faculdade de Direito de São Paulo, v. 10 (1902).

FACHIN, Luiz Edson. Um País Sem Jurisprudência. Texto base do SJA do Prof. Pablo Malheiros, UniCEUB, enviado pelo autor em 23 de junho de 2014. Mimeo.

FRANK, Jerome Frank. Derecho e Incertidumbre. México: Fontamara, 2001.

GODOY, Arnaldo Sampaio de Moraes. Introdução ao Realismo Jurídico Norte-Americano. Brasília: edição do autor, 2013.

GODOY, Arnaldo Sampaio de Moraes. Notas em torno do Processo Penal no Nacional-Socialismo Alemão: Gleichstung e Führerpinzip. Revista do Curso de Mestrado em Direito. Presidente Prudente. s/d.

GOLDBERG, Jonah. The Tyranny of Clichés: How Liberals Cheat in the War of Ideas. New York: Sentinel, 2012.

GONET BRANCO. Paulo Gustavo. Em Busca de um conceito fugidio – O Ativismo Judicial. In: FELLET, André; GIOTTI DE PAULA, Daniel; NOVELINO, Marcelo. (Orgs.). As novas faces do ativismo judicial, Salvador: Juspodivm, 2011.

GOODHART, A. L. Determining the ratio Decidendi of a case, 40 Yale Law Journal, 1930.

LESSA, Pedro Augusto Carneiro. Que é o socialismo? Revista da Faculdade de Direito de São Paulo, v. 3 (1895).

LESSA, Pedro Augusto Carneiro. Philosophia do Direito. Revista da Faculdade de Direito de São Paulo, v. 4 (1896).

LESSA, Pedro Augusto Carneiro. O direito no século XIX. Revista da Faculdade de Direito de São Paulo, v. 8 (1900).

LESSA, Pedro Augusto Carneiro. O direito segundo a philosophia theologica. Revista da Faculdade de Direito de São Paulo, v. 13 (1905).

LEWIS, Anthony. Liberdade para as ideias que odiamos: Uma biografia da primeira emenda à Constituição Americana. Tradução de Rosana Nucci. São Paulo: Aracati, 2001.

LIMONGI FRANÇA, Rubens. Da jurisprudência como direito positivo. Revista da Faculdade de Direito da USP, v. 66 (1971).

MARMELSTEIN, George. A Hipocrisia Jurídica ou de Como a Argumentação Jurídica é o Antro da Dissimulação. Direitos Fundamentais, 11 de março de 2014. Disponível em: , acesso em 03.10.2014.

MALLET, Estêvão. A jurisprudência sempre deve ser aplicada retroativamente? Revista da Faculdade de Direito da USP, v. 101 (2006).

MARRAFON, Marco Aurélio. Constituição e Poder: Quadro mental paranoico não pode imperar na solução de casos jurídicos. Conjur, 14 de julho de 2014.

MENAND, Louis. The Metaphysical Club. New York: Farrar, Straus and Giroux, 2001.

MONTEIRO, Washington de Barros. Da jurisprudência. Revista da Faculdade de Direito da USP, v. 56, n. 2 (1961).

NORBERG, Jakob. The Political Theory of the Cliché: Hannah Arendt Reading Adolf Eichmann. Cultural Critique, n. 76, 2010.

POSNER, Richard. The Supreme Court 2004 Term Foreword: A Political Court. 119 Harvard Law Review 32 (2005).

POVEDA VELASCO, Ignácio Maria. Direito, jurisprudência e justiça no pensamento clássico (greco-romano). Revista da Faculdade de Direito da USP, v. 101 (2006).

RAMOS, Elival da Silva. Ativismo Judicial: Parâmetros Dogmáticos. São Paulo: Saraiva, 2010.

REHNQUIST, Willam H. Government by Cliché: Keynote Address of the Earl F. Nelson Lectures Series. 45 Missouri Law Review, vol. 45, nº 3, 1980.

RODRIGUEZ, José Rodrigo. Como decidem as cortes? Para uma crítica do direito (brasileiro). São Paulo: FGV, 2013.

SCHLESINGER JR. Arthur M. The Supreme Court: 1947, Fortune, vol. XXXV, Jan. 1947.

SCHLESINGER JR. Arthur M. A Life in the 20th Century: Innocent Beginnings, 1917-1950, New York: Houghton Mifflin, 2000.

SCOFIELD, Robert G. Goodhart’s Concession: Defending Ratio Decidendi From Logical Positivism and Legal Realism in the First Half of the twentieth Century. The King’s College Law Journal, 16 KCLJ, 311-328, (2005).

SILVA SOARES, Guido Fernando. Abstração e sistematização na Iurisprudentia Romana. Revista da Faculdade de Direito da USP, v. 97 (2002).

STRECK, Lenio Luiz. O Caso da ADPF 132: Defender o Texto da Constituição é uma Atitude Positivista (ou “Originalista”)? Revista Direito.UnB – Revista de Direito da Universidade de Brasília, v. 01, n. 01, jan.-jun. de 2014.

STRECK, Lenio Luiz. A Interpretação da Constituição no Brasil: Breve Balanço Crítico. Revista Paradigma, a. XVII, n. 21, p. 2-35, jan./dez. 2012.

STRECK, Lenio Luiz. Senso Incomum: Juiz brasileiro é do tipo “prefiro não fazer”? Eu não acredito! Conjur de 29 de maio de 2014, disponível em: , acesso em 29.05.2014.

STRECK, Lenio Luiz. [Entrevista]. Revista do Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais, out.-dez./ v. 81, n. 4, ano XXIX, 2011, p. 17. Disponível em: , acesso em 1.10.2014.

TASSINARI, Clarissa. Ativismo Judicial: Uma análise da atuação do Judiciário nas experiências brasileira e norte-americana. 2012, 141f. Dissertação (Mestrado em Direito) – Universidade do Vale do Rio dos Sinos. São Leopoldo, 2012.

VILLABOIM, Manoel Pedro. O imposto sobre dividendos no Supremo Tribunal Federal e no Congresso. Revista da Faculdade de Direito de São Paulo, v. 11 (1903).

VOGEL, Klaus. La influencia de la jurisprudencia del Tribunal Constitucional Federal sobre el derecho fiscal de la República Federal de Alemania. Revista da Faculdade de Direito da USP, v. 63 (1968).


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

 

Thesis Juris

 

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma  Licença Creative Commons Attribution 4.0