Da Suspensão de Mandato do Parlamentar Para Investidura Como Ministro de Estado: Incompatibilidade Relativa Sob o Regime do Afastamento à Luz do Direito Luso-Brasileiro (Sob a Perspectiva do Processo de Cassação de Deputado Brasileiro)

Osvaldo Oliveira Araujo Firmo, Sonia Maria Queiroz de Oliveira

Resumo


Primeiramente convém pôr sentido na evolução histórica do Parlamento. Na sua afirmação no panorama político do Estado, já numa perspectiva nitidamente democrática, muito o resultado do confronto com o poder do rei (deveras real), fez advir conquistas institucionais e legalmente postas para garantia de uma existência efetiva (aspecto físico) e funcionamento permanente do Parlamento. Nesse quadro encontra-se o estatuto do parlamentar com o objetivo de blindagem do exercício da atividade parlamentar contra os desmandos do sempre hipertrófico Poder Executivo (a Coroa). Há se ter em mente, pois, em termos de mandato parlamentar, que o trato constitucional é um status no quadro das instituições públicas de grande seriedade, e todo regramento (constitucional ou não) gravitando ao derredor do princípio da continuidade do exercício da função, em prestígio e garantia das conquistas institucionais. A persecução do tema do afastamento de parlamentar para exercício de cargo no Poder Executivo, especialmente de Ministro de Estado, contemplando a exceção constitucional às incompatibilidades parlamentares, com vista ao seu reflexo no respectivo mandato, à luz das constituições do Brasil e Portugal consubstancia o presente artigo. Nosso estudo aqui tem recorte bem definido quanto ao objeto de reflexão, assim como seu campo de incidência, um contributo de reflexão acerca de um tema do Direito Constitucional voltado para o âmbito do estatuto jurídico dos titulares de cargos políticos, em especial o caso da incompatibilidade parlamentar de exercício de função de ministro. Buscar-se-á compreender a extensão e as conseqüências da incompatibilidade do Art. 154o, 1, da CRP, cuja dicção equivale à do art. 56, I, da CRFB.

Referências


ALFAIA, João. Conceitos fundamentais do regime jurídico do funcionalismo público, Coimbra: Almedina, 1985, 2 vols., 1349 p.

ARÉVALO, Manuel Francisco Clavero. Derechos fundamentales y prerrogativas parlamentarias, in Estudios Sobre la Constitución Española. Homenaje al Profesor Eduardo García de Enterría, vol. III, Coord. Sebastián Martín-Retortillo, Madrid: Civitas, 1991, p. 2113-2123.

ASSEMBLÉIA DA REPÚBLICA, Incompatibilidades, Lisboa: Divisão de Informação Legislativa e Parlamentar, maio, 1995 (Col. Temas, no 18), 240 p.

ASSEMBLÉIA DA REPÚBLICA, Imunidades e incompatibilidades: colóquio “ética e política”, 18 e 19 de abril de 2006, Divisão de Informação Legislativa e Parlamentar: Lisboa, abril, 2006.

AVRIL, Pierre; GICQUEL, Jean. Droit parlamentaire, 2 ed., Paris: Montcrestien, Col. Domat Droit Public, 1996, 346 p.

BALDASSARE, Anna Maria de Cesaris. La supplenza del presidente della repubblica, Jovene Editore, 1990, Pubblicazioni della Facoltá di Giurisprudenza dell’Università di Camerino, vol. 36, 190 p.

BASTOS, Celso Ribeiro e MARTINS, Ives Gandra da Silva. Comentários à constituição do brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988 , 4o vol., tomo I (arts. 44 a 69), São Paulo: Saraiva, 1995, p. 41

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em:

Acesso em:

de março de 2013.

BRITO, José de Souza e. Diário da República, II, no 184, p. 9026-(2)-9026(15).

BRITO, José de Souza. in Revista de Legislação e Jurisprudência, Coimbra: Coimbra Editora, nos 3796 e 3797, 123o ano (1990-1991), 1991, secção de jurisprudência, p. 228b.

CAETANO, Marcello. Manual de ciência política e direito constitucional, 6 ed., rev. e ampl. por Miguel Galvão Teles, Lisboa: Depositária – Coimbra Editora, 1972, tomo II (Direito Constitucional Português), p. 410-691.

CAETANO, Marcello. Manual de direito administrativo, 10 ed., rev. e atual. pelo Prof. Diogo Freitas do Amaral, Coimbra: Almedina, 1986, 2 vols., vol. II, tít. II, Cap. V, § 23o, III, no 279, p. 656-658, 1454 p.

CANOTILHO, José Joaquim Gomes e MOREIRA, Vital. Constituição da república portuguesa anotada, 3 ed. rev., Coimbra: Coimbra Editora, 1993, 1135 p.

CORTÊS, Jorge. O princípio da maioria: natureza e limites, in Revista da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, Lex, vol. XXXVI, no 2, 1995, p. 493-572.

DI CIOLO, Vittorio. Incompatibilità ed ineleggibilità parlamentari, in Enciclopedia Del Diritto, Varese: Giuffrè, 1971, vol. XXI, p. 41a-68.

DOMÍNGUEZ, Francisco Caamaño. El mandato parlamentario, Madrid: Congreso de los Diputados, 1991, (Col. Monografías, serie IV, no 22), 324 p., P.64.

DUHAMEL, Olivier et alii, Dictionnaire constitutionnel, Paris: PUF, 1992, p. 1005.

DUVERGER, Maurice. Éléments de droit public, 7ème éd., mise à jour, Paris: Presses Universitaires de France, 1974 (Col. Thémis Droit), déuxième partie, chapitre II, section III, § 1, B, p. 106).

GOMES, Carla Amado. Das imunidades parlamentares no direito português: algumas considerações, in Estudos de Direito Parlamentar, Faculdade de Direito de Lisboa, Seminário de Direito Constitucional, Lisboa: Associação Acadêmica da Faculdade de Direito de Lisboa, 1997, p. 521-656.

GOMES, Carla Amado. As imunidades parlamentares no direito português, Coimbra: Coimbra Editora, 1998, 146 p.

HERMAN, Valentine et MENDEL, Francoise. Le parlements dans le monde: recueil de données co mparatives, Patris: PUF – Union Interparlamentaire, 1977, 881 p.

HULST, Marc Van der. Le mandat parlementaire: étude comparative mondiale, Genève: Union Interparlementaire, 2000, p. 48.

JÈZE, Gaston. Principios generales del derecho administrativo, São Paulo: Saraiva, 1949, primeira parte, vol. II, p. 349.

LOMBA, Pedro. A responsabilidade política dos ministros no direito constitucional português, Estudos em Homenagem ao Professor Doutor Marcello Caetano: no centenário do seu nascimento, Coimbra: Coimbra Editora, Lisboa: Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, vol. II, 2006, p. 575-602.

MARTINS, Norma Izabel Ribeiro. Suplência, in Revista de Informação Legislativa, Brasília: Senado Federal – Diretoria de Informação Legislativa, ano 6, jan./mar. 1969, no 21, p. 73-172.

MELGARÉ, Plínio. Princípios, regras e a tese dos direitos: apontamentos à luz as teoria de ronald dworkin, in: Revista de Informação Legislativa, , Brasília: Senado Federal, Subsecretaria de Edições Técnicas, jul.-set., 2004, ano 41, no 163, p. 99.

MENDAZONA, Edorta Cobreros. El “status” parlamentario como derecho garantizado por el articulo 23.2 de la constitución, in Estudios Sobre la Constitución Española. Homenaje al Profesor Eduardo García de Enterría, vol. III, Coord. Sebastián Martín-Retortillo, Madrid: Civitas, 1991, p. 2125-2182.

MIRANDA, Jorge. Deputado, in Dicionário Jurídico da Administração Pública, Lisboa: s. ed., 1990, vol. III, p. 483-549a.

MIRANDA, Jorge. O parlamento de portugal, in Revista de Informação Legislativa, Brasília: Subsecretaria de Edições Técnicas da Secretaria Especial de Editoração e Publicações do Senado Federal, jul./set., 2003, ano 40, no 159, p. 225-240.

MIRANDA, Jorge. Manual de direito constitucional, 3 ed., Coimbra: Coimbra Editora, 2004, tomo V, parte V, tít. I, cap. II, § 2o, no 18, II, p. 61.

MIRANDA, Jorge. Manual de direito constitucional, 5 ed., rev. e atual., Coimbra: Coimbra Editora, 2004, tomo III, parte III, cap. VII, § 4o, no 101, p. 372-373.

MIRANDA, Jorge e MEDEIROS, Rui. Constituição portuguesa anotada, Coimbra: Coimbra Editora, 2005, tomo I (introdução geral, preâmbulo, arts. 1o a 79o), 753 p.

MIRANDA, Jorge e MEDEIROS, Rui. Constituição portuguesa anotada, Coimbra: Coimbra Editora, 2005, tomo II (organização económica, organização do poder político, arts. 80o a 201o), 764 p.

NEVES, Ludgero. Idoneidade, Incapacidade, incompatibilidade e inelegibilidade, in Revista da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, Lisboa: Tipografia Universal, jan./jun. 1917, ano I, vol. I, no 1 e 2, p. 151-175.

PEREIRA, Marcolino Félix. A exclusividade dos deputados ou as eternas incertezas do elitorado, in Scientia Jvridica – Revista Brasielira de Direito Comparado Português e Brasileiro, Braga: Universidade do Minho, tomo LII, no 296, mai./ago. 2003, parte I, no 2, p. 295-316.

PIERRE, Eugène. Taité de droit politique: électoral et parlementaire, Paris: Editions Loysel, 1989, vol. 1, livre 2ème, 4ème section, ch. 1ère, p. 362 e segs.

RASPALL, José Maria Boix. Incompatibilidades, in Nueva Enciclopedia Jurídica, Barcelona: Editorial Francisco Seix, 1977, tomo XII (preparado por Buenaventura Pellisé Prats), p. 142b-149.

REALE, Miguel. Decôro parlamentar e cassação de mandato eletivo: liberdade do deputado no exercício de mandato eletivo, in Revista de Direito Público, São Paulo: RT, out./dez. de 1969, vol. 10, p. 87-93.

SILVA, José Afonso da. Curso de direito constitucional positivo, 25 ed., rev. e atual. até EC no 48/2005, São Paulo: Malheiros, 2005, 924 p.

SILVA, José Afonso da. Comentário contextual à constituição, São Paulo: Malheiros, 2005, 1023 p.

STF – Pleno – MS no 20.916-0/DF – Rel. para o acórdão Min. Sepúlveda Pertence – Diário da Justiça, 26.03.93.

STF – Pleno – MS(MC) no 25.579-0/DF – Rel. para o acórdão Min. Joaquim Barbosa – Diário da Justiça, 19.10. 2005.

URBANO, Maria Benedita Pires. Representação política e parlamento: contributo para uma teoria político-constitucional dos principais mecanismos de proteção do mandato parlamentar, Dissertação de Doutoramento em Ciências Jurídico-Políticas apresentada à Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, Coimbra, 2004, 830 p. – inédito.

VERDÚ, Pablo Lucas. El derecho parlamentario en el marco del derecho politico, in RFDCU, vol. 72, 1987, p. 359 e segs., 376.

VERDÚ, Pablo Lucas. Curso de derecho político, Madrid: Tecnos, 1976, vol. III, p. 272.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

 

Thesis Juris

 

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma  Licença Creative Commons Attribution 4.0