Cooperação Jurídica Internacional e Direitos Humanos: para além da interação rumo à harmonização

Geziela Iensue, Luciani Coimbra de Carvalho

Resumo


O tema da cooperação jurídica internacional é um capítulo extremamente relevante do estudo do Direito Internacional Privado. No entanto, o excessivo enfoque nas ordens jurídicas nacionais e a falta de um arcabouço normativo que estabeleça regras de atuação comuns aos Estados-partes no que tange à cooperação jurídica internacional impede a superação da mera interação rumo à harmonização das relações internacionais. O presente artigo propõe-se a apresentar, a partir do método dedutivo, uma compreensão crítica acerca do desenvolvimento de uma teoria geral comum acerca do instituto a partir da ideia de centralidade dos direitos humanos. Após a exposição de um breve panorama do mecanismo internacional, busca evidenciar a sua operação em território brasileiro. Propõe, ainda, a necessidade da adoção de um quadro comum de cooperação jurídica internacional mediante uma interpretação humanística de todo o catálogo de instrumentos internacionais referentes à mesma, em lugar da interpretação focada apenas na prevalência dos interesses internos dos Estados. O artigo propugna o reconhecimento de princípios como regentes da cooperação jurídica internacional, a saber, o princípio da norma mais favorável à cooperação e o princípio da aplicação à cooperação jurídica internacional dos direitos humanos como standards normativos.

Palavras-chave


cooperação jurídica internacional; direitos humanos; migração internacional.

Referências


ABADE, Denise Neves. Direitos fundamentais na cooperação jurídica internacional: extradição, assistência jurídica, execução de sentença estrangeira e transferência de presos. São Paulo: Saraiva, 2013.

BROWNLIE, Ian. Princípios de Direito Internacional Público. 4. Ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1997.

BOBBIO, Norberto. A era dos direitos. Rio de Janeiro: Campus- Elsevier, 2004.

BRASIL. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. CASA CIVIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Disponível em Acesso em 16 de dez. de 2015.

____. Convenção sobre a Eliminação da Exigência de Legalização de Documentos Públicos Estrangeiros. Disponível em http://www2.camara.leg.br/legin/fed/decleg/2015/decretolegislativo-148-6-julho-2015-781175-convencao-147469-pl.html Acesso 11 de dez. de 2015.

_____. Convenção de Aplicação do Acordo de Schengen. Disponível em . Acesso em 16 de dez. de 2015.

_____. Convenção de Nova Iorque para Prestação de Alimentos no Estrangeiro. Disponível em: < Acesso em 16 de dez. de 2015.

___. Convenção de Haia sobre Aspectos Civis do Sequestro Internacional de Crianças. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/D3413.htm> Acesso em 16 de dez. de 2015.

_____. Lei Federal nº 6.815, de 19 de agosto de 1980. Define a situação jurídica do estrangeiro no Brasil, cria o Conselho Nacional de Imigração. Disponível em: . Acesso em 16 de dez. de 2015.

_____. MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação Jurídica Internacional. Cooperação Jurídica em matéria penal. Ministério da Justiça. Brasília, maio de 2012. Disponível em Acesso em 30 de nov. de 2015.

_____. Manual de Cooperação Jurídica Internacional e Recuperação de Ativos - Matéria Civil. 1a ed. Brasília, 2012. Disponível em: < http://www.tjsp.jus.br/Download/Corregedoria/CartasRogatorias/Documentos/ManualExpedCRCivel.pdf> Acesso em 16 de dez. de 2015.

_____. Cartilha Cooperação Jurídica Internacional em Matéria Penal, 2013, p. 23. Disponível em Acesso em 14 dez. 2015.

_____. MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO. Programa de Desenvolvimento da Faixa de Fronteira. Disponível em < http://www.mi.gov.br/c/document_library/get_file?uuid=95a92508-ff3c-4def-b662-ace2b86685eb&groupId=10157. Acesso em 14 de dez. de 2015.

_____. SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. Disponível em < http://www.stf.jus.br/portal/cms/verTexto.asp?servico=legislacaoTratadoExtradicaoTextual&pagina=IndiceTratadoExtradicao> Acesso em 16 dez de 2015.

______. TRIBUNAL PLENO. HC 87.585/TO. Relator Ministro Marco Aurélio, julgado em 03 de dez de 2008.

_____. Informativo do Supremo Tribunal Federal nº 498. 10 a 14 de março de 2008. Disponível em: . Acesso em: 15 de dez. 2015.

BRAZ, Mario Sergio A. Imunidade de jurisdição e negativa de exequatur a cartas rogatórias passivas. Revista Forense. v. 100, n. 376, pp. 233-431, nov/dez. 2004.

CASELLA, Paulo Borba. A ordem pública e a execução de cartas rogatórias no Brasil. Revista da Facualdade de Direito da USP, v. 98, 2003.

CIAMPI, Annalisa. L’ assunzione di prove all’estero in materia penale. Verona: CEDAM, 2003.

CÓDIGO MODELO INTERJURISDICIONAL PARA IBERO-ÁMERICA. Exposição de Motivos do Código Interjurisdicional para Ibero-América. Revista da SJRJ, Rio de Janeiro, n. 25, 2009.

CORGEAU, D. Migrants et migrations. Population, n.1, Paris. 1973.

DA SILVA, Ricardo Perlingiero Mendes. Cooperação jurídica internacional e auxílio direto. Revista CEJ, Brasília, n. 32, p. 76, jan./mar.2006.

DELMAS-MARTY. Mireille. Le pluralism e ordonné. 2. Ed. Paris: Éditions Du Seuil, 2005.

DOMENACH, H. e PICOUET, M. Las migraciones. Córdoba. Republica Argentina. Tradução de Eduardo Bologna. Ano 1996.

_______ El caracter de reversibilidad en el estúdio de la migracion. Nota de Población. Celade. Revista Latinoamericana de Demografía. Ano XVIII. Santiago do Chile. Abril de 1990. n.49.

DUGUIT, Léon. Soberania y Libertad. Trad. y prólogo José G. Acuña. Madrid: Francisco Beltran Líbreria española y estranjera princípe 16, p. 144. Cf. ainda, VATTEL, Emmerich de. O Direito das Gentes. Rio Grande do Sul: Unijuí, 2008.

ELIZARRARÁS, Juan Carlos Velázquez. Reflexiones generales en torno a la importancia de los principios del derecho internacional. Biblioteca jurídica virtual del Instituto de Investigacionis Jurídicas de la UNAM. Disponível em: Acesso em 16 dez. 2015.

FLÓREZ-VALDÉS, J. A. Los principios generales del Derecho y su formulación constitucional. Madri: Editorial Civitas, 1990.

JELLINEK, George. Teoría General del Estado. Trad. y prólogo de Fernando de los Ríos. México: FCE, 2000.

KRATOCHWILL, Hermann. Migraciones, circulaciones de personas y politicas migratória en el Mercosul. In: Migrações internacionais: herança XX, agenda XXI. Campinas: FNUAP. São Paulo. Oficina Editorial, 1996. p.155-166.

LAFER, Celso. A reconstrução dos direitos humanos. Um diálogo com o pensamento de Hannah Arendt. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

LASZLOCZKY, Paolo. La cooperazione Internazionale negli atti d’istruzione penale. Padova: CEDAM, 1980.

LEACH, Edmund. “The Frontier of Burma” In: Comparative Studies in Society and History, Vol III, number 1. Mouton & Co, The Hague, Netherlands, 1960.

LOULA, Maria Rosa Guimarães. Auxílio Direto: novo instrumento de cooperação jurídica internacional civil. Belo Horizonte: Fórum, 2010.

MACHADO, Lia Osório. Limites, Fronteiras, Redes. In: T. M. Strohaecker, A. Damiani, N.O.Schaffer, N.Bauth, V.S.Dutra (org.). Fronteiras e Espaço Global. AGB-Porto Alegre, Porto Alegre, 1998, p.41-49. Disponível em: www.igeo.ufrj.br/fronteiras/pdf/LimitesPAlegre1998.pdf. Acesso em 16 de dez. de 2015.

MAZZUOLI, Valério de Oliveira. Reforma do Judiciário e os Tratados de Direitos Humanos. Disponível em

ORGANIZACIÓN INTERNACIONAL DEL TRABAJO. Migración laboral y desarollo: La OIT sigue avanzando. Genebra, novembro de 2013. Disponível em: Acesso em 02 dez.2015.

PIOVESAN, F. Direitos Humanos e o Direito Constitucional Internacional. 7.ed. rev. ampl. e atual.São Paulo: Saraiva, 2006.

RAMOS, André de Carvalho. Estrutura da cooperação jurídica internacional e o novo direito internacional privado. In: PAGLIARINI, Alexandre Coutinho; CHOUKR, Fauzi Hassan (Coords.). Cooperação Jurídica Internacional. Belo Horizonte: Editora Fórum, 2014.

REICHSTEINER, Beat Walter. Direito Internacional Privado: teoria e prática. 4.ed. São Paulo: Saraiva, 2000, p. 229.

ROUX, Jean-André. L´entr’aide des Etats dans la lutte contre la criminalité. In: Recueil des Cours de L´Academie de Droit Internacional da la Haye, vol. 36, 1931 – II, Paris, p. 93.

SANTOS, Boaventura de Souza. Pela mão de Alice - o social e o político na pós-modernidade. Porto: Edições Afrontamento, 1994.

SILVA, Ricardo Perlingeiro Mendes da. Cooperação Jurídica Internacional e Auxílio Direto. In Revista CEJ, Brasília, n. 32, p. 75-79, jan. mar. 2006.

TIBURCIO, Carmem. Temas de Direito Internacional. Rio de janeiro: Renovar, 2006.

TORRORRONTEGUY, M. A. A. Cooperação internacional. Captura Críptica: Direito, Política, Atualidade. Florianópolis, v. 1, n. 2, pp. 633-645, jul./dez.2009.

VATTEL, Emmerich de. O Direito das Gentes. Rio Grande do Sul: Unijuí, 2008.

WEBER, Max. Ciência e Política: Duas Vocações. São Paulo: Cultrix, 1999.


Texto completo: Pdf

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

 

Thesis Juris

 

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma  Licença Creative Commons Attribution 4.0