A Crise do Poder Judiciário Como Fator Determinante Para a Ocorrência da Relativização da Coisa Julgada

Rennan Faria Kruger Thamay

Resumo


RESUMO: crise do Poder Judiciário é uma ocorrência muito relevante e hodierna que afeta a todos e merece ser combatida visando a solvência das problemáticas que ela causa.
Para solver algumas das conseqüências prejudiciais nasceu a noção de relativização da coisa julgada que poderia tornar a decisão “mutável”, tendo papel relevante e pontuado na discussão, visto que com esse instituto flexibilizador muitas injustiças que possam ter sido praticas podem ser superadas e inclusive alteradas.
Solucionar a celeuma da crise do Judiciário não é algo fácil, mas também não resta impossível. Algumas das possíveis soluções seria uma aplicação mais efetiva da fundamentação das decisões judiciais, um aumento de responsabilidades para os magistrados frente às suas decisões e, por fim, propiciar a aplicação da celeridade, não fugindo da idéia da duração razoável do processo que deve ser observado com toda a cautela, adequando-se essas à adimplência do contraditório e da ampla defesa.

Referências


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ALEXY, Robert. Teoria dos direitos fundamentais, trad. Virgilio Afonso da Silva, São Paulo: Malheiros, 2008.

ARAUJO CINTRA, Antonio Carlos de. Comentários ao código de processo civil. 4 v. arts: 332 a 475. Rio de Janeiro: Forense, 2003.

BARACHO, José Alfredo de Oliveira. Direito constitucional contemporâneo: homenagem ao Professor Paulo Bonavides/ Fernando Luiz Ximenes Rocha e Filomeno Moraes, organizadores. Belo Horizonte: Del Rey, 2005.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade e Ambivalência, Rio de Janiro: Jorge Zahar Editor, 1999.

BEDAUQE, José Roberto dos Santos. Direito e processo: influência do direito material sobre o processo, 4º ed., rev. e ampli., São Paulo: Malheiros, 2006.

BEDAQUE, José Roberto dos Santos. Efetividade do processo e técnica processual, 2º ed., São Paulo: Malheiros, 2007.

BOBIO, Norberto. Teoria do ordenamento jurídico, trad. Maria Celeste Cordeiro Leite dos Santos, 10º ed., Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1999.

CAMPBELL, C. The Romantic Ethic and the Spirit of Modern Consumerism, Oxford: Blackwell, 1987.

CANOTILHO, José Joaquim Gomes. Estudos sobre direitos fundamentais, 2º ed., Portugal: Coimbra Editora, 2008.

CARRIÓ, Genaro R. e CARRIÓ, Alejandro D. El recurso extraordinario por sentencia arbitrria, Buenos Aires, Abeledo-perrot, 1983.

CARVALHO, Fabiano. EC n. 45: reafirmação da garantia da razoável duração do processo. In: WAMBIER, Teresa Arruda Alvim et al. (Coord.). Reforma do judiciário: primeiros ensaios críticos sobre a EC n. 45/2004. São Paulo: RT, 2005.

CASTANHEIRA NEVES, Antonio. O direito hoje em com que sentido? Lisboa: Editora Piaget, 2002.

CASTANHEIRA NEVES, Antonio. O instituto dos “assentos” e a função jurídica dos tribunais supremos, Coimbra, 1983.

CHIOVENDA, Giuseppe. Principios del derecho procesal, Madri: Reus, s/d.

CLÈVE, Clèmersom Merlin. A fiscalização abstrata da constitucionalidade no direito brasileiro. 2º ed., São Paulo: RT, 2000.

DELACAMPAGNE, C. História da Filosofia no Século XX, Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1995.

DINAMARCO, Cândido Rangel. A Instrumentalidade do Processo, 9º ed., São Paulo: Malheiros, 2001.

DINAMARCO, Cândido Rangel. Instituições de Direito Processual Civil. 3 v. 2º ed., São Paulo: Malheiros, 2002.

DUVERGER, Maurice. Constitutions et documents politiques, Paris: PUF, 1974.

DWORKIN, Ronald. Levando os direitos a sério, trad. Nelson Boeira, São Paulo: Martins Fontes, 2002.

FEATHERSTONE. Cultura de consumo e Pós-modernismo, São Paulo: Studio Nobel, SESC, 1995.

GADAMER, Hans-Georg. Verdade e método II, trad. Enio Paulo Gianchini e Maria Sá Cavalcante Schuback, Petrópolis: Vozes, 2002.

GARAPON, Antonie. Bem julgar: ensaio sobre o ritual judiciário, Lisboa: Instituto Piaget, 1997.

GIDDENS. “A vida em uma sociedade pós-tradicional”, In: BECK, GIDDENS & LASH, 1997.

MENDES, Gilmar Ferreira. Jurisdição constitucional. 3º ed., São Paulo: Saraiva, 1999.

HARVEY, David. Condição pós-moderna, São Paulo: Edições Loyola, 1992.

HELLER, Agnes. Mas allá de la justicia, Barcelona: Editorial Crítica, versão espanhola de 1990.

JAYME, Erik. Cours général de droit intenacional prive, In recueil des cours, Académie de droit intenacional, t, 251, 1997.

KELSEN, Hans. Teoria pura do direito, 4º Ed., São Paulo: Martins Fontes, 1994.

KATO, Shelma Lombardi de. A crise do direito e o compromisso da libertação in Direito e justiça: A função social do Judiciário – org. José Eduardo Faria, 3º ed., São Paulo: Ática, 1997.

KUMAR, Krishan. Da sociedade pós-industrial à pós-moderna, Rio de Janiro: Jorge Zahar Editor, 1997.

LABOULAYE, Edouard René Lefebvre de. Do Poder Judiciário in: O poder judiciário e a Constituição, Porto Alegre: coleção AJURIS 4, 1977.

LIEBMAN, Enrico Tullio. Eficácia e Autoridade da Sentença e outros escritos sobre a Coisa Julgada. 3º ed., Rio de Janeiro: Forense, 1984.

LYOTARD, Jean-François. O pós-moderno, Rio de Janeiro: Olympio Editora, 1986.

LOPES, José Reinaldo de Lima, in: FARIA, José Eduardo(coord.) [et. all]. Direito e justiça: A função social do judiciário, São Paulo: Ática, 1989.

LUHMANN, Niklas. Sitemi sociali: Fondamenti di una teoria generale, Bolonha:Il Mulino, 1990.

MARINONI, Luiz Guilherme [et. all.]. Código de direito processual civil comentado, São Paulo: RT, 2008.

MARQUES, Claudia Lima. Contratos no código de defesa do consumidor: o novo regime das relações contratuais, 4. ed. rev., atual. e ampli., incluindo mais de 1.000 decisões jurisprudenciais. São Paulo, RT, 2002.

MARTINS, Eliezer Pereira - Segurança Jurídica e Certeza do Direito, publicado no site www.jus.com.br.

MIRANDA, Jorge. Teoria do estado e constituição. Rio de Janeiro, 2002.

MIRANDA, Pontes. Comentários ao Código de Processo Civil. Tomo V: arts. 444 a 475, 5. v. 3º ed. Rio de Janeiro: Forense, 1997.

MONTESQUIEU, Charles de Secondat, Baron de. Do Espírito das Leis. São Paulo: Saraiva, 2000.

MORAES, Alexandre de. Direito constitucional. 19. ed. São Paulo: Atlas, 2006.

NERY JÚNIOR, Nelson. Princípios do processo civil na Constituição Federal, 7º ed., São Paulo: RT, 2002.

NERY JÚNIOR, Nelson [et. all.]. Código de processo civil comentado e legislação extravagante, 10º ed. rev., ampli. e atual., São Paulo: RT, 2007.

NEVES, Antônio Castanheira. O direito hoje em com que sentido? Lisboa: Editora Piaget, 2002.

OLIVEIRA, Carlos Alberto Alvaro. Do formalismo no processo civil, 2º ed., rev. e ampli., São Paulo: Saraiva, 2003.

OST, François. O tempo do direito. Lisboa: Instituto Piaget, 1999.

OST, François. O tempo do direito, Trad. Élcio ernandes, Bauru: Edusc, 2005.

PERELMAN, Chaim. Ética e direito, São Paulo: Martins Fontes, 1996.

PICORDI, Nicola. La vocazione del nostro tempo per la giurisdizione, revista trimestral de Diritto Procedura Civile, Giuffrè, 2004.

PIÇARRA, Nuno. A Separação dos Poderes como doutrina e Princípio Constitucional – Um contributo para o estudo das suas origens e evolução. Coimbra : Coimbra Editora, 1989.

PISANI, Andrea Proto. Revista da Escola da Magistratura do Rio de Janeiro, n. 16, 2001.

PORTANOVA, Rui. Princípios do processo civil, 6º ed., Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2005.

REALE, Miguel. Crise do capitalismo e crise do Estado, São Paulo: Editora SENAC, 2000.

RIBEIRO, Darci Guimarães. La pretensión procesal y La tutela judicial efectiva, Barcelona: J.M.Bosch editor, 2004.

ROCCO, Ugo. Trattato di diritto processuale civile V. I, 2º ed., Torino: Topografia Sociale Torinese, 1966.

ROCHA, Álvaro Felipe Oxley da. Sociologia do direito: A magistratura no espelho, São Leopoldo: Editora UNISINOS, 2002.

SANTOS, Boaventura de Souza. Para uma revolução democrática da justiça, 2º ed., São Paulo: Cortez, 2008.

SANTOS, Boaventura de Souza. Pela Mão de Alice: O social e o político na pós-modernidade, São Paulo: Cortez, 1997.

SANTOS, Moacir Amaral. Primeiras linhas de direito processual civil, 7º ed., São Paulo: Saraiva, 1980.

SANTOS, Moacyr Amaral dos. A prova judiciária no civil e no criminal, Rio de Janeiro: Max Limonad, 1952.

SCHOPENHAUER, Arthur. Como vencer um debate sem precisar ter razão: em 38 estratagemas, trad. Daniela Caldas e Olavo de Carvalho, Rio de Janeiro: Topbooks, 1997.

SILVA, Ovídio Araújo Baptista da. Curso de Processo Civil: processo de conhecimento. v. I. 5. ed. São Paulo: RT, 2001.

SILVA, Ovídio A. Baptista da. Da função à estrutura – www.Baptistadasilva.com.br/artigos)

SILVA, Ovídio A. Baptista da. Jurisdição, direito material e processo, Forense, 2007.

SILVA, Ovídio A. Baptista da. In: Participação e processo, coord., Ada Pellegrini Grinover, São Paulo: RT, 1988.

SILVA, Ovídio A. Baptista da. Processo e ideologia, forense, 2004.

SILVA, José Afonso da. Curso de direito constitucional positivo. 20. ed. São Paulo: Malheiros, 2001.

SOUZA, Carlos Aurélio Mota de – Segurança Jurídica e Jurisprudência: um enfoque filosófico-jurídico – São Paulo : LTr, 1996.

STRECK, Lenio Luiz. Jurisdição constitucional e hermenêutica: uma nova crítica do direito. 2º ed., Rio de Janeiro: Forense, 2004.

THEODORO JÚNIOR, Humberto. Curso de Direito Processual Civil: Teoria do Direito Processual Civil e o Processo de Conhecimento. 39º ed., Rio de Janeiro: Forense, 2003.

TOCQUEVILLE, Alexis de. La démocratie em Amérique, Paris: Garnier: Flammarion, 1951, t. II.

TARUFFO. La testimonianza della parte nel sistema dell’oralità, Giuffrè, 1974.

TARUFFO. Senso comune, esperienza e scienza nel ragionamento del giudice, in revista trimestrale di diritto e procedura civile, trad. Cândido Rangel Dinamarco, Giuffrè, 2001.

VATTIMO, Gianni. O Fim da Modernidade: niilismo e hermenêutica na cultura pós-moderna, Lisboa: Editorial Presença, 1987.

WAMBIER, Tereza Arruda Alvim [et.al]. O dogma da coisa julgada: Hipóteses de relativização, São Paulo: RT, 2003.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

 

Thesis Juris

 

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma  Licença Creative Commons Attribution 4.0