O Sujeito no Estruturalismo e as Implicações de uma Relação com a Teoria da Moldura de Hans Kelsen

Sandro Nery Simões, Gustavo Santos

Resumo


O movimento filosófico conhecido como estruturalismo teve um papel inovador como metodologia científica para as ciências sociais. Este artigo analisa o papel do sujeito nesse movimento e suas consequências para abordagem científica de Claude Lévi-Strauss acerca das relações de parentesco e da criação dos mitos. Abordando esse papel, finaliza por fazer um cotejo entre o estruturalismo e a teoria da moldura proposta por Hans Kelsen.

 

ABSTRACT: The philosophical movement known as structuralism had na innovative role in the social sciences, especially in the área of scientific methodology. This article examines the role of the individual within the structuralism, focusing on Claude Levi-Strauss ideias of kindship and creation of myths. Finally, the article examines a possible relationship between structuralism and Hans Kelsen’s frame theory of legal interpretacion.


Palavras-chave


Estruturalismo; Sujeito; Teoria da Moldura

Referências


CARVALHO, Francisco Alex Lopes de. "A consciência desperta e inquieta do saber moderno": uma história do estruturalismo. Saeculum - Revista de História, João Pessoa, no 18, jan/jun de 2008.

CHAUI, Marilena. Convite à filosofia. São Paulo: Átila, 2000.

CUNHA, Ricarlos Almagro Vitoriano. Hermenêutica e argumentação no direito. 1 ed. Curitiba: CRV, 2014.

DEMO, Pedro. Metodologia científica em ciências sociais. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1995, pp. 178-183.

GIDDENS, Anthony. As consequências da modernidade. São Paulo: UNESP, 1991.

HUSSERL, Edmund. A ideia de fenomenologia. Trad. de Artur Morão. Lisboa: Edições 70, 1989.

_____. Ideias para uma fenomenologia pura e para uma filosofia fenomenológica. Trad. M. Suzuki. São Paulo: Idéias e Letras, 2006.

KELSEN, Hans. Teoria Pura do Direito. 7 ed. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

LÉVI-STRAUSS, Claude. A noção de estrutura em etnologia. São Paulo: Abril Cultural, 1976 (Coleção os Pensadores).

_____. Antropologia estrutural. Tradução de Beatriz Perrone-Moisés. São Paulo: Cosac Naify, 2008.

_____. Mito e significado. Edições 70, 1987.

_____. Tristes Trópicos. São Paulo: Anhebi, 1957.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. A ideologia alemã. trad. Luis Cláudio de Castro e Costa. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

REALE, Giovanni; ANTISERI, Dario. História da Filosofia, v. 7: De Freud à atualidade. São Paulo: Paulus, 2006 (Coleção História da Filosofia).

SALES, Léa Silveira. “Estruturalismo – história, definições, problemas”. In: Revista de Ciências Humanas. Florianópolis: EDUFSC, n. 33, abril de 2003.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A crítica da razão indolente: contra o desperdício da experiência. 4 ed. São Paulo: Cortez, 2002.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

 

Thesis Juris

 

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma  Licença Creative Commons Attribution 4.0