Federalismo Fiscal Brasileiro: incentivos fiscais, atividades empresariais e a busca pela proteção do meio ambiente como forma de garantia da efetividade da vida humana digna e saudável

Maria Fernanda Soares Macedo, Evandro Fabiani Capano

Resumo


O objetivo do presente artigo científico é analisar aspectos que versam sobre a relação entre o federalismo fiscal brasileiro, os incentivos fiscais e a proteção do meio ambiente, como formas de garantia do meio ambiente saudável e da vida digna para as presentes e futuras gerações. Para tanto, apresentaremos um panorama acerca do federalismo fiscal nacional, destacando que, nos Estados Fiscais, a arrecadação tributária é grande fonte de receita para os cofres públicos. Em seguida, analisaremos as diretrizes constitucionais (ambas relacionadas à dignidade humana) que preveem tanto a proteção ao meio ambiente quanto os estímulos às atividades empresariais. Neste ponto, é necessário destacar que a Constituição Federal de 1988 tutela diversos interesses individuais e coletivos, que, se forem analisados isoladamente, podem ser entendidos como antagônicos entre si. Por fim, serão estudados os incentivos fiscais como meio viabilizador destes dois núcleos de tutelas, proporcionando a proteção da sustentabilidade ambiental e a garantia das atividades empresariais.


Palavras-chave


Federalismo fiscal; Incentivos fiscais; Meio ambiente e dignidade humana.

Referências


ALTAFIN, Iara Guimarães. Comissão de Meio Ambiente aprova isenção de IPI para veículos elétricos e híbridos. 20 de outubro de 2015. Agência Senado. Disponível em: . Acesso em: 27 out. 2015.

ARRETCHE, Marta. Dossiê agenda de pesquisa em políticas públicas. Revista

Brasileira de Ciências Sociais. Vol.18. Nº.51. Fevereiro de 2003. Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2015.

ATALIBA, Geraldo; GONÇALVES, José Arthur. Crédito-prêmio de IPI: direito adquirido; recebimento em dinheiro. Revista de Direito Tributário, v.15, n.55, jan./mar., 1991.

BASTOS, Celso Ribeiro. Curso de Direito Constitucional. 22. ed. São Paulo: Malheiros, 2010.

BRANDÃO, Renata Figueiredo. Incentivo Fiscal Ambiental: parâmetros e limites para sua instituição à luz da Constituição Federal de 1988. Tese – (Doutorado em Direito) - Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. São Paulo, 2013.

CARVALHO, José Murilo de. Hacia um nuevo federalismo? El federalismo brasileño: pesrpectiva histórica. In: CHÁVEZ, Alicia Hernández (Org.). Hacia un nuevo federalismo? 1ed.México: Fondo de Cultura Económica. 1996.

FRANCO, Décio Henrique. O ICMS Ecológico como instrumento de gestão ambiental: contribuições para o Estado de São Paulo. Dissertação - (Mestrado Engenharia de Produção. Faculdade de Engenharia, Arquitetura e Urbanismo da Universidade Metodista de Piracicaba – UNIMEP). Santa Bárbara D’Oeste, 2006.

GORE, Albert. Uma verdade inconveniente. Barueri: Editora Manole, 2006.

GUIMARÃES, Ulysses. Íntegra do discurso presidente da Assembleia Nacional Constituinte, Dr. Ulysses Guimarães. Discurso proferido e publicado em 05 de outubro de 1988. Redação: TRAMARIM, Eduardo. Disponível em: . Acesso em: 18 set. 2015.

MILARÉ, Edis. Direito do meio ambiente: a gestão ambiental em foco: doutrina, jurisprudência e glossário. 6. ed. São Paulo: RT, 2009.

MODÉ, Fernando Magalhães. Tributação ambiental. Curitiba: Juruá, 2003.

O ECO. O que é o ICMS ecológico. 26 de fevereiro de 2014. Disponível em: www.oeco.org.br/dicionario-ambiental/28048-o-que-e-o-icms-ecologico. Acesso em 30 de setembro de 2015.

PAES, Nelson Leitão. SIQUEIRA, Marcelo Lettieri. Desenvolvimento regional e federalismo fiscal no Brasil: em busca da igualdade na distribuição de receitas. Economia Aplicada. Scielo. Econ. Apl. vol.12 no.4 Ribeirão Preto Oct./Dec. 2008. Disponível em: . Acesso em: 05 set. 2015.

PIERDONÁ, Zélia Luiza. A proteção social na Constituição de 1988. Revista Internacional de Direito e Cidadania. 2008. Disponível em: . Acesso em: 10 set. 2015.

RIBEIRO, Helena. Saúde Pública e meio ambiente: evolução do conhecimento e da prática, alguns aspectos éticos. Saúde e Sociedade. Scielo. vol.13 no.1 São Paulo Jan./Apr. 2004. Disponível em: . Acesso em: 20 out. 2015.

SÃO PAULO (ESTADO). Secretaria do Meio Ambiente. Coordenadoria de Planejamento Ambiental. CPLA. Repasse de ICMS para os municípios paulistas considera as áreas protegidas no cálculo. 2013. Informações e tabela “os 10 municípios com maiores índices de área protegida” disponíveis em: http://www.ambiente.sp.gov.br/cpla/repasse-de-icms-para-os-municipios-paulistas-considera-as-areas-protegidas-no-calculo/. Acesso em 15 de outubro de 2015.

SCHÄFER, Jairo Gilberto. Direitos fundamentais: proteção e restrições. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2001.

SILVA, João Carlos Bezerra da. Os instrumentos jurídico-econômicos conciliadores do conflito entre o desenvolvimento econômico e o meio ambiente ecologicamente equilibrado. Teresina, ano15,n. 2419, 14 fev. 2010. Disponível em: . Acesso em: 10 set. 2014.

SIMIONI, Maristela de Paula. ICMS Ecológico e terras indígenas: Um estudo de caso da Reserva Indígena de Marrecas-PR. Universidade Federal do Paraná. Dissertação - (Mestrado em Desenvolvimento Econômico). Curitiba, 2009.

TORRES, Haroldo de Gama. Desigualdade ambiental na cidade de São Paulo. Campinas, 1997. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade de Campinas, 1997.

TÔRRES, Heleno Taveira. Da Relação entre Competências Constitucionais Tributária e Ambiental – Os Limites dos Chamados “Tributos Ambientais”. In: TÔRRES, Heleno Taveira (Org.). Direito tributário ambiental. São Paulo: Malheiros, 2005.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

 

Thesis Juris

 

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma  Licença Creative Commons Attribution 4.0