“Onde é o meu lar?” A aplicação da convenção da Haia sobre os aspectos civis do sequestro internacional de crianças e o princípio do melhor interesse da criança

Mayra Thais Andrade Ribeiro

Resumo


O artigo analisa a aplicação da Convenção da Haia sobre os Aspectos Civis do Sequestro Internacional de Crianças (1980) a partir do principio do melhor interesse da criança. O termo “sequestro” é referente ao ato do deslocamento ilegal, do infante de seu país ou a sua retenção indevida em outro que não o de sua residência habitual, sem a autorização da outra pessoa detentora da guarda, ainda que compartilhada. A metodologia utilizada nesta pesquisa pauta-se no procedimento jurídico-analítico, através do levantamento bibliográfico especializado, verificação de documentos e dados oficiais publicados e jurisprudência. Conclui-se que, enquanto o principio do melhor interesse da criança não for o ponto principal de interpretação e aplicação da Convenção, os trabalhos realizados pelas autoridades competentes serão ineficientes nas questões envolvendo o pedido de retorno ou direito de visita.

Palavras-chave


Convenção da Haia; Sequestro Internacional; Melhor Interesse da Criança.

Referências


BRASIL. Tribunal Regional Federal da 1ª Região. AC 0011498-23.2009.4.01.3813 / MG, Rel. Desembargador Federal Fagundes De Deus, Rel. Conv. Juiz Federal Renato Martins Prates, Quinta Turma. Publicado no e-DJF1 p.205 de 09 jul. 2010.

BRASIL. Conselho Nacional de Justiça. CNJ discute anteprojeto de lei para regulamentar atuação do Brasil em casos de subtração internacional de crianças. Notícias. Publicação: 23/10/2014. Disponível em: < http://www.cnj.jus.br/noticias/cnj/62187-cnj-discute-anteprojeto-de-lei-para-regulamentar-atuacao-do-brasil-em-casos-de-subtracao-internacional-de-criancas>. Acesso em 07 jan. 2016.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: . Acesso em: 05 jan. 2016.

BRASIL. Decreto nº 3.413, de 14 de abril de 2000. Promulga a Convenção sobre os Aspectos Civis do Seqüestro Internacional de Crianças, concluída na cidade de Haia, em 25 de outubro de 1980. Diário Oficial da União, Brasília, 17 abr. 2000.

BRASIL. Lei no 10.406, de 10 de Janeiro de 2002. Institui o Código Civil. Disponível em: . Acesso em: 05 jan. 2016.

BRASIL. Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em 05 jan. 2016.

DOLINGER, Jacob. Direito Internacional Privado – A criança no Direito internacional. Rio de Janeiro: Editora Renovar, 2003.

FILHO, Theóphilo Antonio Miguel. Questões constitucionais e legais da Convenção de Haia sobre os aspectos civis do sequestro internacional de crianças. Rio de Janeiro, 2010. Tese (Doutorado em Direito). Departamento de direito Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

MAZZUOLI, Valério de Oliveira; MATTOS, Elsa de. Sequestro internacional de criança fundado em violência doméstica perpetrada no país de residência: A importância da perícia psicológica como garantia do melhor interesse da criança. Revista da Defensoria Pública da União, Brasília, DF, n. 8, p. 1-356, jan/dez. 2015.

PEREZ-VERA, Elisa. Rapport explicatif. HCCH Publications. p. 426-476. Disponível em: . Acesso em: 05 jan. 2016.

RECH, Carolina Magalhães; ARAÚJO, Nadia de. As Conferências Interamericanas de Direito Internacional Privado. Relatório PIBIC PUC-Rio. 2008, p. 01. Departamento de Direito. Disponível em: . Acesso em 04 jan. 2016.

REZEK, José Francisco. Direito internacional público: curso elementar. 13. ed. rev., aumen. e atual. – São Paulo: Saraiva, 2011.

RODAS, João Grandino; MONACO, Gustavo Ferraz de Campos. A Conferência da Haia de Direito Internacional Privado: a Participação do Brasil. Brasília: Fundação Alexandre de Gusmão, 2007.

WEINER, Merle H. Navigating the road between uniformity and progress: the need for purposive analysis of the Hague Convention on the Civil Aspects of International Child Abduction. 2002.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

 

Thesis Juris

 

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma  Licença Creative Commons Attribution 4.0