O CASO DA PENSÃO PARA EX-GOVERNANTES E A LEITURA MORAL DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL: A EFETIVIDADE DOS DISCURSOS DE MORALIDADE ADMINISTRATIVA NA JURISPRUDÊNCIA DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

Leonel Pires Ohlweiler

Resumo


O presente artigo objetiva investigar a legitimidade constitucional do pagamento de pensão vitalícia para ex-governadores, a partir das concepções de moralidade administrativa construídas pela jurisprudência do Supremo Tribunal Federal sobre o caso e da tradição doutrinária do Direito Administrativo. A metodologia utilizada foi pesquisa bibliográfica e jurisprudencial com análise dos julgados mais relevantes. Destacou-se o contributo da leitura moral de Ronald Dworkin, bem como a ideia de integridade, além dos aportes hermenêuticos de Hans-Georg Gadamer. Os debates na MC da ADI 4552 impõem a discussão sobre a melhor concepção de moralidade administrativa. A ausência de previsão de pensão vitalícia para ex-presidentes na Constituição Federal configura decisão constitucionalmente moral de ilegitimidade de tal pagamento. O favor pecuniário é incompatível com a integridade dos princípios constitucionais da Administração Pública.


Palavras-chave


direito administrativo; moralidade administrativa; hermenêutica jurídica, integridade, leitura moral

Referências


ALMEIDA, Custódio Luís S. de. Hermenêutica e Dialética: dos estudos platônicos ao encontro com Hegel. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2002.

BINENBOJM, Gustavo. Uma Teoria do Direito Administrativo. Direitos Fundamentais, Democracia e Constitucionalização. 3ªed. Rio de Janeiro: Renovar, 2014.

CRETELLA JÚNIOR, José. O Desvio de Poder na Administração Pública. 5ªed. Rio de Janeiro: Forense, 2002.

DI PIETRO, Maria Sylvia Zanella. Discricionariedade Administrativa na Constituição de 1988. 2ªed. São Paulo: Atlas, 2001.

DWORKIN, Ronald. Justiça de Toga. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

DWORKIN, Ronald. Justiça Para Ouriços. Coimbra: Almedina, 2011.

DWORKIN, Ronald. O Direito da Liberdade. A Leitura Moral da Constituição Norte-Americana. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

DWORKIN, Ronald. O Império do Direito. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

FRANCO SOBRINHO, Manoel de Oliveira. O Controle da Moralidade Administrativa. São Paulo: Saraiva, 1974.

FRANCO SOBRINHO, Manoel de Oliveira. O Princípio Constitucional da Moralidade Administrativa. Curitiba: Genesis, 1993.

FREITAS, Juarez. O Controle dos Atos Administrativos e os Princípios Fundamentais. 4ª ed. São Paulo: Malheiros, 2009.

GADAMER, Hans-Georg. Verdad y Método II. Salamanca: Sígueme, 1992.

GIACOMUZZI, José Guilherme. A Moralidade Administrativa e a Boa-Fé da Administração Pública: o conteúdo dogmático da moralidade administrativa. 2ªed. São Paulo: Malheiros, 2013.

HABERMAS, Jürgen. Facticidad y Validez. Sobre el Derecho y el Estado Democrático de Derecho em Términos de Teoría del Discurso. Madrid: Trotta, 2000.

HART, H.L.A. O Conceito de Direito. 2ªed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1994.

HAURIOU, Maurice et BEZIN, Guillaume de. La Déclaration de Volonté dans le Droit Administratif Français, Reveu Trimestralle de Droit Civil 3/546, Ano 2, julho-setembro, 1903.

HAURIOU, Maurice. Précis de droit administratif et de droit public.12ª Edition. Paris: Dalloz, 2002.

HEBECHE, Luiz. Heidegger e os Indícios Formais. In: O Escândalo de Cristo. Ensio sobre Heidegger e São Paulo. Ijuí: Editora Unijuí, 2005.

MEIRELLES, Hely Lopes. Direito Administrativo Brasileiro. 24ªed. São Paulo: Malheiros, 1999.

MELLO, Celso Antônio Bandeira de. Curso de Direito Administrativo. 29ªed. São Paulo: Malheiros, 2012.

MELLO, Cláudio Ari. Fragmentos Teórico sobre a Moralidade Administrativa. Revista de Direito Administrativo, Rio de Janeiro, 235, 93:1-16, Jan./Mar., Renovar, 2004.

MICHELAZZO, José. Do Um Como Princípio ao Dois como Unidade: Heidegger e a Reconstrução Ontológica do Real. São Paulo: FAPESP: Annablume, 1996.

MOREIRA NETO, Diogo Figueiredo. Mutações do Direito Administrativo. 3ªed. Rio de Janeiro: Renovar, 2007.

NOVAIS, Jorge Reis. Contributo para uma Teoria do Estado de Direito: do Estado de Direito Liberal ao Estado Social e Democrático de Direito. Coimbra: Almedina, 2006.

ROCHA, Cármen Lúcia Antunes. Princípios Constitucionais da Administração Pública. Belo Horizonte: Del Rey, 1994.

ROCHA, Cármen Lúcia Antunes. Princípios Constitucionais da Administração Pública. Belo Horizonte: Del Rey, 1994.

ROCHA, Cármen Lúcia Antunes. Princípios Constitucionais da Administração Pública. Belo Horizonte: Del Rey, 1994.

STEIN, Ernildo. Mundo Vivido. Das Viscissitudes e dos usos de um Conceito da Fenomenologia. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2004.

STEIN, Ernildo. Pensar é Pensar a Diferença. Filosofia e Conhecimento Empírico. Ijuí: Editora Unijuí, 2002.

STEIN, Ernildo. Pensar é Pensar a Diferença: filosofia e conhecimento empírico. Ijuí: Unijuí, 2002.

STRECK, Lenio Luiz. Verdade e Consenso. Constituição, Hermenêutica e Teorias Discursivas. 4ª ed. São Paulo: Saraiva, 2012.

VATTIMO, Ginni. Introdução a Heidegger. Lisboa; Edições 70, 1989.

VELASCO ARROYO, José Carlos. La Teoría Discursiva del Derecho. Sistema Jurídico y Democracia en Habermas. Madrid: Centro de Estudios Políticos y Constitucionales, 2000.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

 

Thesis Juris

 

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma  Licença Creative Commons Attribution 4.0