DIREITO E FILOSOFIA: É POSSÍVEL CONSTRUIR UMA TEORIA JURÍDICA COERENTE SEM A REFLEXÃO FILOSÓFICA?

Rafael Veras Castro Melo, Gina Vidal Marcílio Pompeu

Resumo


Por meio desse artigo, aborda-se a relação entre direito e filosofia, notadamente na perspectiva da possibilidade da existência de uma teoria jurídica coerente sem a reflexão filosófica. Enfatiza-se os pensamentos da filosofia do positivismo, do liberalismo contemporâneo de Ronald Dworkin e da tradição clássica. Constitui-se como pesquisa qualitativa, bibliográfica e teórica. Para tanto, parte-se da análise de Hans Kelsen da cientificidade do Direito, com seus conceitos, a fim de introduz a defesa do autor de teoria jurídica positivista, com críticas ao jusnaturalismo. Empós, estuda-se o pensamento do liberalismo de Ronald Dworkin, para o qual o Direito não pode fazer distinção entre valores, com respeito a todas as valorações com a mesma consideração e respeito. Por fim, aborda o pensamento da tradição clássica, para quem a busca da virtude deve ser o principal eixo norteador da reflexão filosófica. Ao final, avalia-se, através dos autores supracitados e do confronto dialético das tradições filosóficas, se é possível a edificação de uma teoria jurídica coerente sem a reflexão filosófica.

 


Palavras-chave


Teoria do Direito. Filosofia. Conflito de Tradições

Referências


AQUINO, Tomás de. Do Governo dos Príncipes ao Rei de Cipro e Do Governo dos Judeus à Duquesa de Brabante. São Paulo: Editora Anchieta S/A, 1946.

ARISTÓTELES. A política. São Paulo: EDIPRO, 2009. Tradução de Nestor Silveira Chaves.

_____. Ética à Nicômaco. 4ª Edição. São Paulo: EDIPRO, 2014. Tradução de Edson Bini.

_____. Metafísica. São Paulo: Edições Loyola, 2002. Tradução de Giovanni Reale.

DWORKIN, Ronald. Levando os direitos a sério. São Paulo: Martins Fontes, 2002. Tradução de Nelson Boeira.

_____. Uma questão de princípio. São Paulo: Martins Fontes, 2001. Tradução de Luís Carlos Borges.

FINNIS, John. Natural Law and Natural Rights. Oxford: Oxforx University Press, 2011.

GEORGE, Robert P. Para hacer mejores a los hombres: libertades civiles y moralidad pública. Madrid: Ediciones Internacionales Universitarias Madrid, 2002. Tradução de Carmen Ruiz.

JAEGER, Werner. Paideia: a formação do homem grego. São Paulo: Martins Fontes, 2013. Tradução de Arthur M. Parreira.

KELSEN, Hans. O que é Justiça? São Paulo: Martins Fontes, 2001. Tradução de Luís Carlos Borges.

MACINTYRE, Alasdair. After virtue: a study in moral theory. Notre Dame: University of Notre Dame, 2007.

_____. Whose Justice? Which Rationality? Notre Dame: University of Notre Dame, 1988.

PLATÃO. Apologia de Sócrates. São Paulo: Nova Cultural, 1999.

_____. As Leis. Bauru: EDIPRO, 1999. Tradução de Edson Bini.

_____. Diálogos: Górgias. Bauru: EDIPRO, 2007. Tradução de Edson Bini.

_____. A República. São Paulo: Martin Claret, 2000. Tradução de Pietro Nassetti.

RADBRUCH, Gustav. Filosofia do Direito. Coimbra: Armênio Amado, 1979. Tradução de L. Cabral de Moncada.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

 

Thesis Juris

 

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma  Licença Creative Commons Attribution 4.0