EMENDAS AGLUTINATIVAS E PROCEDIMENTOS DE APROVAÇÃO DE PEC NA CÂMARA FEDERAL: O DESCONCERTANTE PRECEDENTE

José Ernesto Pimentel Filho

Resumo


Estudo analisa a história parlamentar do tempo presente confrontando a decisão do STF para o MS 22503, 1996, com os acontecimentos em torno da aprovação da PEC 171/1993. Tem como hipótese principal a exposição da descontinuidade de interpretação de precedente e o caráter lacunar do Regimento Interno da Câmara dos Deputados. O RICD não impõe expressamente rigidez adequada na recusa do recebimento de emendas aglutinativas fora de Comissão Especial em casos de Proposta de Emenda à Constituição. A metodologia recorre à memória da Câmara e do STF contida na documentação gerada por ambas as instituições. O suporte teórico recorre-se aqui ao conceito de ativismo judicial. A conclusão principal está em asseverar pelo menos duas possibilidades interpretativas que emergiram da trajetória institucional da relação entre a Câmara Federal brasileira e o Supremo Tribunal Federal para o andamento do devido processo legislativo, especialmente no tocante à apresentação ou não de emendas de PEC em Comissão Especial: (1) a manutenção do precedente com a possibilidade a apresentação de emendas de plenário em caso de PEC; (2) se fosse admitida a emenda exclusivamente em Comissão Especial, ficaria vedada a apresentação de emendas de plenário em caso de PEC.

Palavras-chave


Brasil; Poder Legislativo; História do Direito; História Parlamentar; Constituição.

Referências


BARROSO, Luís R. Judicialização, Ativismo Judicial e Legitimidade Democrática. Atualidades Jurídicas. Revista Eletrônica do Conselho Federal da OAB 4, 2009, p. 2. Disponível em: http://www.oab.org.br/ editora/revista/users/revista/ 1235066670174218181901.pdf Acesso em: 11 jul 2015.

BERCOVICI, Gilberto. Constituição e política: uma relação difícil. Lua Nova 61, São Paulo, 2004. Disponível em: http:// www.scielo.br/ scielo.php? script= sci_arttext&pid= S0102-64452004000100002&lng =pt&tlng=pt Acesso em: 11 jul 2015.

BLOCH, Marc. Introdução à História. São Paulo: Coleção Saber, Publiicação Europa-América, s/d.

BRASIL. Câmara dos Deputados. Discurso de Nilson Gibson. 14 de março de 1996b. http://imagem.camara.gov.br/ Imagem/ d/ pdf/ DCD14MAR1996.pdf#page=61

BRASIL. Câmara dos Deputados. Regimento Interno da Câmara dos Deputados-RICD. Brasília, 2014. finaldiachmadl

BRASIL. Diário da Câmara dos Deputados. Parecer do Relator à Emenda Aglutinativa Substitutiva à Proposta de Emenda à Constituição no. 33-C, de 1995. 30 de abril de 1996c.

BRASIL. Diário da Câmara dos Deputados. Relatório. Emenda Aglutinativa Substitutiva à Proposta de Emenda à Constituição no. 33-C, de 1995. 30 de abril de 1996e.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. MS 22503. Relatório do Sr. Min. Marco Aurélio. 1996d. Disponível em: http:// www. stf.jus.br/ portal/ geral/ verPdfPaginado.asp?id= 85766&tipo= AC&descricao= Inteiro+ Teor +MS+%2F+22503 Acesso em: 11 jul 2015.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Voto do Presidente do STF, Sepúlveda Pertence, STF MS 22503, 1996a.

FIGUEIREDO, Argelina C. e LIMONGI, Fernando. Reforma da Previdência e Instituições Políticas. Novos Estudos CEBRAP 51, Julho de 1998, p. 67. Disponível em: http:// www.fflch.usp.br/ dcp/assets/docs/Limongi/ A_Reforma_da_ Previdencia_e_ Instituicoes_Politicas.pdf Acesso em: 11 jul 2015.

HORBACH, Carlos B. Porque a aprovação da PEC da maioridade penal é constitucional. Consultor Jurídico , 5 de julho de 2015. Disponível em: http://www.conjur.com.br/2015-jul-05/provacao-pec-maioridade-penal-constitucional Acesso em: 11 jul 2015.

A ÍNTEGRA do MS contra a votação da emenda que reduziu a maioridade penal. Jota. 09 de julho de 2015. Disponível em: http://jota.info/a-integra-do-ms-contra-a-votacao-da-emenda-que-reduziu-a-maioridade-penal Acesso em: 11 jul 2015.

LOZANO, Vicente. Umberto Eco y los idiotas del Twitter. El Mundo. (17 de junho de 2015). Disponível em: http://www.elmundo.es/blogs/elmundo/interes-fijo/2015/06/17/umberto-eco-y-los-idiotas-del-twitter.html Acesso em: 11 jul 2015.

MANIFESTO dos juristas em repúdio à manobra de Eduardo Cunha no procedimento de votação da PEC 171. Facebook: Jurisdição Constitucional, Democracia e Constitucionalização de Direitos. 2015. Disponível em: https://www.facebook.com/ permalink.php? story_fbid= 458582597636605&id= 201714703323397& fref= nf&pnref =story Acesso em: 11 jul 2015.

‘PREFIRO ser mal-educado a acusado de achaque’, diz Cid Gomes a Cunha. Uol Notícias. 18 de março de 2015. Disponível em: http:// noticias.uol.com.br/ politica/ ultimas-noticias/ 2015/03/18/ deputado-da-base-contrario-ao-governo-deve-largar-o-osso-diz-cid-gomes.htm Acesso em: 11 jul 2015.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

 

Thesis Juris

 

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma  Licença Creative Commons Attribution 4.0