Da necessidade de modernização da política internacional antidrogas como forma de efetivação dos direitos humanos

Andrea Flores, Digiany da Silva Godoy Teixeira

Resumo


Ao redor do mundo, governos começaram a questionar abertamente a eficácia das políticas repressivas de combate às drogas, o que torna oportuna a propositura, nesse momento, de medidas intermediárias entre o proibicionismo e a legalização, com forte influência das estratégias de redução de danos que procurem minimizar o alcance da esfera repressiva, na linha do direito penal mínimo. Ademais, o proibicionismo como política internacional de drogas é responsável por uma gama de violações de direitos humanos ao redor do mundo, o que torna esse diálogo urgente e necessário. O artigo analisa as mudanças do modelo atual de combate às drogas – de viés proibicionista –, a partir de novas experiências internacionais e da última Sessão Especial da Assembleia Geral da ONU (UNGASS), diante da ineficácia de políticas repressivas que geraram violência, encarceramento e violações de direitos. Com base na análise dos efeitos da implementação do Regime Internacional de Controle de Drogas e de elementos críticos em relação a violações de direitos humanos no Brasil e no Mundo, são apontados os desafios para próximas décadas como: a necessidade de implementação de políticas públicas que priorizem os grupos mais vulneráveis, a estruturação de programas de prevenção e redução de danos, a adoção de penas alternativas e a criação de critérios objetivos para diferenciar o uso e o tráfico de drogas, tudo isso de forma sustentável, respeitando as diversidades regionais e combatendo a pobreza e o cerceamento de direitos.


Palavras-chave


Políticas de drogas; Proibicionismo; Redução de danos; Direitos Humanos; Brasil.

Referências


BATISTA, Vera. A juventude e a questão criminal no Brasil. Disponível em http://www.cnj.jus.br/files/conteudo/arquivo/2016/02/1053773b21eb7cc6e5600f16cc0663e4.pdf. Acesso em 20/04/2018.

BOITEUX, Luciana. Brasil: Reflexões críticas sobre uma política de drogas repressiva. Revista Internacional de Direitos Humanos. Revista Sur. v.12. N. 21. Agosto, 2015.

CAMPOS, Rui Ribeiro de. Geografia Política Das Drogas Ilegais. São Paulo. J.H. Mizuno, 2014.

CARVALHO, Salo de. A política criminal de drogas no Brasil: estudo criminológico e dogmático da Lei 11.343/06. 7. ed. rev., atual. e ampl. – São Paulo: Saraiva, 2014.

CASELLA, Paulo Borba; ACCIOLY, Hildebrando; NASCIMENTO, G. E. Manual de direito internacional público. 20. ed. São Paulo: Saraiva, 2012.

COUNT THE COSTS OF THE WAR ON DRUGS. The alternative World Drug Report counting. The Costs Of The War On Drugs. Disponível em: http://countthecosts.org/sites/default/files/AWDR.pdf. Junho de 2012. Acesso em 01/08/2018.

COUNT THE COSTS OF THE WAR ON DRUGS. The War on Drugs: Wasting billions and undermining economie. Disponível em: http://www.countthecosts.org/seven-costs/wasting-billions-drug-law-enforcement. Fevereiro de 2013. Acesso em 01/08/2018.

FOUCAULT, Michel. Em Defesa da Sociedade. Curso no College de France (1975-1976). São Paulo: Martins Fontes, 2005.

GARNER, Milton Romani. Avanços na política de drogas no Uruguai. Revista Internacional de Direitos Humanos. Revista Sur. v.12. N. 21. Agosto, 2015.

GARZÓN, Juan Carlos; POL, Luciana. O elefante na sala: drogas e direitos humanos na américa latina. Revista Internacional de Direitos Humanos. Revista Sur. v.12. N. 21. Agosto, 2015.

GROVER, Anand. ONU em 2016: Um divisor de águas. Revista Internacional de Direitos Humanos. Revista Sur. v.12. N. 21. Agosto, 2015.

MURKIN, George. New report: UN violates its own charter by continuing to fight global drug war. The Alternative World Drug Report, 2016. Disponível em: http://www.countthecosts.org/blog/new-report-un-violates-its-own-charter-continuing- ight-global-drug-war. Acesso em 01/08/2018.

PILATI, Rachel Cardoso. Direito penal do inimigo e política criminal de drogas no brasil: discussão de modelos alternativos. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2011. Disponível em https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/103351.

PLATAFORMA BRASILEIRA DE POLÍTICA DE DROGAS. DOSSIÊ PBPD. Questões sobre a descriminalização do porte de drogas para uso pessoal: síntese breve de evidências. Agosto de 2015. Disponível em: https://dl.dropboxusercontent.com/u/64663568/library/Dossi_Descriminaliza_o_STF_11.pdf.

PLATAFORMA BRASILEIRA DE POLÍTICA SOBRE DROGAS. Cartilha: Entendendo a Política de Drogas no Cenário Internacional. Março de 2016. Disponível em: http://pbpd.org.br/wordpress/wp-content/uploads/2016/03/UNGASS_PDF_FINAL_REVISADO.pdf. Acesso em 11/08/2018.

PROGRAMA NACIONAL DE DIREITOS HUMANOS (PNDH-3) / Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República - - rev. e atual. - - Brasília: SDH/PR, 2010. Decreto Nº 7.037, de 21 de dezembro De 2009. Atualizado pelo Decreto nº 7.177, de 12 de maio de 2010. Disponível em: http://www.pndh3.sdh.gov.br/public/downloads/PNDH-3.pdf. Acesso em 04/06/2018.

REGHELIN, Elisângela Melo. Redução de danos: prevenção ou estímulo ao uso indevido de drogas injetáveis. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2002, p. 74. In: RODRIGUES, Luciana Boiteux Figueiredo. Controle penal sobre as drogas ilícita: o impacto do proibicionismo no sistema penal e na sociedade. 237 f. Tese (Doutorado em Direito). tech 17 Universidade de São Paulo. São Paulo, 2006.

RODRIGUES, Luciana Boiteux de Figueiredo. Controle penal sobre as drogas ilícitas: o impacto do proibicionismo no sistema penal e na sociedade. São Paulo, 2006. Disponível em: http://comunidadesegura.org.br/files/controlepenalsobredrogasilicitas.pdf. Acesso em 26/09/2018.

ROSMARIN, Ari; EASTWOOD, Niamh. A quiet revolution: drug decriminalization polices in practice across the globe. Release Drugs: London, 2012.In: Plataforma Brasileira de Política de Drogas. Dossiê PBPD. Questões sobre a descriminalização do porte de drogas para uso pessoal: síntese breve de evidências. Disponível em: http://pbpd.org.br/wordpress/wp-content/uploads/2015/08/Dossi---Descriminaliza----o-STF-11.pdf. Acesso em 15/06/2018.

SECRETARIA NACIONAL DE POLÍTICAS SOBRE DROGAS. Senad/Ministério da Justiça. Levantamento sobre legislação de drogas nas Américas e Europa e análise comparativa de prevalência de uso de drogas, 2015. In: Plataforma Brasileira de Política de Drogas. Dossiê PBPD. Questões sobre a descriminalização do porte de drogas para uso pessoal: síntese breve de evidências. Agosto de 2015. Disponível em: https://dl.dropboxusercontent.com/u/64663568/library/Dossi_Descriminaliza_o_STF_11.pdf. Acesso em 17/08/2018.

SESTOKAS, Lucia; OLIVEIRA, Nathália. Infográfico interativo. Política de Drogas e Encarceramento, produzido pelo Projeto Gênero e Drogas do Instituto Terra, Trabalho e Cidadania. Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP), 2016.

SILVA, Luiza Lopes da. A questão das drogas nas relações internacionais: uma perspectiva brasileira. Brasília: FUNAG, 2013.

TÓFOLI, Luís Fernando. Políticas de drogas e saúde pública. Revista Internacional de Direitos Humanos. Revista Sur. v.12. N. 21. Agosto, 2015.

ZACCONE, Orlando. Acionistas do nada: quem são os traficantes de droga. Rio de janeiro: Revan, 2006.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

 

Thesis Juris

 

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma  Licença Creative Commons Attribution 4.0