CRIME E CASTIGO: O SISTEMA PENAL POSITIVISTA E O DIREITO CONSUETUDINÁRIO INDÍGENA.

Andrea Flores, Lamartine Santos Ribeiro

Resumo


A cultura é o elemento que dá identidade a um agrupamento humano que então se reveste do caráter de comunidade a qual, organizando-se sistemicamente, assume natureza de sociedade. A cultura baseia-se em valores que padronizam o comportamento humano. O crime é um dos desvios deste comportamento, ao que a sociedade impõe um castigo, chamado de pena. Assim, crime e castigo são consequências de valores culturais, instituídos para garantir a paz social. Há, pois, valores tão variados e peculiares quanto várias são as comunidades, especialmente no vasto território brasileiro, abrigo de grande número de tribos indígenas de cultura anterior ao próprio Estado. A aplicação do sistema jurídico estatal positivado tem entrado em conflito com o sistema consuetudinário típico das comunidades indígenas. Assim esta pesquisa visa estabelecer os encontros e desencontros existentes entre o sistema penal positivista e o direito consuetudinário indígena. Para tal estudo a tendência é crítico-dialética, portanto, de método dialético a partir de revisões bibliográficas com abordagem diagnóstica.


Palavras-chave


Direito Positivo; Direito Consuetudinário; Comunidades Indígenas

Referências


ALVARES, Myriam Martins. A educação indígena na escola e a domesticação indígena da escola. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi – Série Antropologia. v. 15, n 2. Belém, 1999.

ARAÚJO, Ana Valéria. Povos indígenas e a Lei dos “Brancos”: o direito à diferença. Coleção Educação Para Todos - Séries Vias dos Saberes. n 3. Brasília, 2006.

BARRETO, Helder Girão. Direitos indígenas – vetores constitucionais. Curitiba: Juruá, 2003.

BELTRÃO, Jane Felipe. Da formação indigenista à formação indígena. Belém: Seminário Formação Jurídica e Povos Indígenas – desafios para uma educação superior no Brasil. Realização: UFPA. Belém, 2007. Disponível em http://www3.ufpa.br/juridico/index.php?pag=historico. Acessado em 06 de Junho de 2014.

BOLÍVIA - Constitución Política del Estado Plurinacional de Bolivia

http://www.harmonywithnatureun.org/content/documents/159Bolivia%20Consitucion.pdf . Acessado em 05 de Janeiro de 2015.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988.

BRASIL. IBGE - Disponível em: http://indigenas.ibge.gov.br/images/pdf/indigenas/folder_indigenas_web.pdf . Acesso em 25 de Novembro de 2014.

CARDIM, Fernão. Tratado da Terra e Gente do Brasil. Ed. J.Leite, Rio de Janeiro, 1925.

COLAÇO, Thaís Luzia. “Incapacidade” indígena – tutela religiosa e violação do direito guarani nas missões jesuíticas. Curitiba: Juruá, 2005.

COLAÇO, Thais Luzia. O Direito nas Missões Jesuíticas da América do Sul. Fundamentos de História do Direito. Org. Antonio Carlos Wolkmer. 4ª ed. Del Rey. Belo Horizonte. 2008.

COLÔMBIA - Constitución Política de Colombia de 1991 - http://www.constitucioncolombia.com/titulo-8/capitulo-5/articulo-246 . Acessado em 05 de Janeiro de 2015.

CURI, Melissa Volpato. Antropologia Jurídica: um estudo do direito Kamaiurá. Tese doutorado, Departamento de Antropologia da PUC/São Paulo, 2011. Disponível em http://www.sapientia.pucsp.br/tde_arquivos/8/TDE-2011-07-04T13:28:08Z-11284/Publico/Melissa%20Volpato%20Curi.pdf . Acessado em 26 de fevereiro de 2015.

DANTAS, Fernando Antonio de Carvalho. A “cidadania ativa” como novo conceito para reger as relações dialógicas entre as sociedades indígenas e o Estado Multicultural Brasileiro. Hiléia: Revista Ambiental da Amazônia. Ano 2, n 2. UEA. Manaus, 2004. Disponível em http://www.pos.uea.edu.br/data/direitoambiental/hileia/2004/2.pdf. Acessada em 06 de Junho de 2014.

EQUADOR – Constitución de la República del Ecuador

http://www.asambleanacional.gov.ec/documentos/constitucion_de_bolsillo.pdf . Acessado em 05 de Janeiro de 2015.

GARCIA, Nelson Jahr. Estado Novo, Ideologia e Propaganda Política – A legitimação do Estado autoritário perante as classes subalternas. São Paulo: eBooksBrasil - Rocket Edition, 2005. Disponível em http://www.ebooksbrasil.org/eLibris/estadonovo.html . Acessado em 25 de Fevereiro de 2015.

HASSEMER, Winfried. Direito Penal libertário – Tradução de Regina Greve. Belo Horizonte: Del Rey, 2007.

HOLANDA, Marianna Assunção Figueiredo. Quem são os humanos dos direitos? Sobre a criminalização do infanticídio indígena. Brasília, Repositório UNB, 2008. Disponível em http://repositorio.unb.br/bitstream/10482/5515/1/2008_MariannaAssuncaoFigueiredoHolanda.pdf - Acessado em 29 de Novembro de 2014.

KIRIRI, Gino. Mão Que Vai, Mão Que Vem. Índios na Visão dos Índios: Somos Patrimônio. Gerlic, Sebastian (org.). Ed. Thydêwa. Salvador. 2011.

LÊNIN, Vladímir Ilitch. As três fontes e as três partes constitutivas do marxismo. 2.ed Coleção Bases n 9. São Paulo: Global, 1979.

MARKY, Thomas. Curso elementar de Direito Romano. São Paulo: Saraiva, 2007.

MORAES, Alexandre de. Direito Constitucional. São Paulo: Atlas, 2004.

MOREAU, Felipe Eduardo. Os índios nas cartas de Nóbrega e Anchieta. São Paulo: ed. Annablume, 2003.

OIT - Convenção n° 169 sobre povos indígenas e tribais e Resolução referente à ação da OIT / Organização Internacional do Trabalho. - Brasilia: OIT, 2011 – Disponível em http://portal.iphan.gov.br/baixaFcdAnexo.do?id=3764 – Acessado em 05 de Novembro de 2014.

PACHECO, Rosely Aparecida Stefanes; PRADO, Rafael Clemente Oliveira do e KADWEU, Ezequias Vergilio. População carcerária indígena e o direito à diferença: o caso do município de Dourados, MS. Revista Direito GV, vol.7, n.2, São Paulo, 2011. Disponível em: http://direitosp.fgv.br/sites/direitosp.fgv.br/files/06_rev14_469-500_-_rosely_aparecida_stefanes_pacheco_-_scielo.pdf . Acessado em 26 de fevereiro de 2015.

PARAGUAI - Constitución de la República de Paraguay de 1992 - http://jme.gov.py/transito/leyes/1992.html . Acessado em 05 de Janeiro de 2015.

PIERANGELI, José Henrique. Códigos Penais do Brasil: evolução histórica. São Paulo: Jalovi, 1980.

RIBEIRO, Darcy. O povo brasileiro – a formação e o sentido do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Poderá o direito ser emancipatório?. Revista Crítica de Ciências Sociais, n.65. Coimbra, Portugal.: CES, 2003. Disponível em http://www.boaventuradesousasantos.pt/media/pdfs/podera_o_direito_ser_emancipatorio_RCCS65.PDF . Acessado em 25 de Fevereiro de 2015.

SEMER, Marcelo. Índio punido pela comunidade: ausência do direito de punir do Estado. Sem Juízo. São Paulo, 2014. Disponível em http://blog-sem-juizo.blogspot.com.br/2014/06/indio-punido-pela-comunidade-ausencia.html . Acessado em 29 de Dezembro de 2014.

SOUZA FILHO, Carlos Frederico Marés de. O Direito envergonhado: o Direito e os indios no Brasil. In GRUPIONI, Luis Donizete B (Org.). Índios no Brasil. Brasília: MEC, 1994.

TAVARES, André Ramos. Curso de Direito Constitucional. São Paulo: Saraiva, 2003.

VENEZUELA - Constitución de la República Bolivariana de Venezuela

http://www.cne.gob.ve/web/normativa_electoral/constitucion/titulo5.php#cap3 . Acessado em 05 de Janeiro de 2015.

WAGNER, Daize Fernanda. A pena privativa de liberdade entre os povos indígenas do oiapoque: modelo próprio de execução penal? Criminologias e Política Criminal. Florianópolis: ed. CONPEDI, 2014. Disponível em http://www.publicadireito.com.br/artigos/?cod=0cf5d42e34cfeb8a – Acessado em 17 de Novembro de 2014.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

 

Thesis Juris

 

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma  Licença Creative Commons Attribution 4.0