A PENA DE PRISÃO PERPÉTUA, PREVISTA NO ESTATUTO DE ROMA, EM FACE DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988

Rejane Alves de Arruda, Tiago Bunning Bunning Mendes

Resumo


O presente trabalho tem como objetivo estudar os principais aspectos do Estatuto de Roma e da Corte (Tribunal) Penal Internacional, analisando, desde seu contexto histórico de implementação até sua estrutura e características, competência e, principalmente, seu status normativo no ordenamento jurídico brasileiro e as penas previstas em seu teor. Nesse contexto punitivo, analisaremos, sobretudo, o cabimento e aplicação da pena de prisão perpétua no âmbito da Corte. Em conseguinte analisar-se-á a vedação a pena de prisão perpétua contida na Constituição Federal de 1988, e bem assim, seus desdobramentos em nosso ordenamento jurídico, interpretações doutrinárias e jurisprudenciais sobre o tema. Assim, sopesando a previsão do Estatuto e a vedação da Constituição Federal, estudaremos o aspecto deste conflito de normas, visando dirimir se está diante uma antinomia real ou aparente.


Palavras-chave


Pena de Prisão Perpétua; Estatuto de Roma; Corte Penal Internacional; Constituição Federal.

Referências


AFLEN, Pablo Rodrigo. O Tribunal Penal Internacional: antecedentes históricos e o novo Código Penal Internacional alemão. Porto Alegre: Editora SAFRE-Fabris, 2004.

_________. O Tribunal Penal Internacional: antecedentes históricos e o novo Código Penal Internacional alemão. In: KRESS, Claus; WERLE, Gerhard; GEISER Hansjorg; ALFLEN DA SILVA, Pablo R. NERLICH, Volker. Tribunal Penal Internacional: aspectos fundamentais e o novo Código Penal Internacional alemão. Porto Alegre: Ed. Sergio Antonio Fabris, 2004

AMBOS, Kai. A parte geral do direito penal internacional: bases para uma elaboração dogmática; tradução Carlos Eduardo Addriano Japiassú, Daniel Andrés Raisman; revisão Pablo Alflen, Fabio D’Avila, atualização Kai Ambos; Miguel Lamadrid. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2008.

______. MALARINO, Ezequiel; WOISCHNIK, Jan (coords). Dificuldades jurídicas e políticas para a ratificação ou implementação do Estatuto de Roma da Corte Penal Internacional: contribuições da América Latina e Alemanha. São Paulo : IBCCRIM – Instituto Brasileiro de Ciências Criminais, 2006.

BRASIL . Supremo Tribunal Federal. Recurso Extraordinário nº 466.343. Disponível em: . Acesso em: 04/06/2016.

_________, Estatuto de Roma. Disponível em Acesso em: 04/06/2016.

DE OLIVEIRA, Caio Ramon Guimarães.Tribunal Penal Internacional: uma análise das aparentes inconstitucionalidades do Estatuto de Roma. Disponível em: Acesso em 19/06/2016.

GABRIEL, Amélia Regina Mussi. O conflito entre tratado e direito interno face ao ordenamento jurídico brasileiro e outras questões conexas. Disponível em: Acesso em: 12/06/2016.

GOMES, Luiz Flávio. Pena de morte e prisão perpétua: solução ou ilusão? Disponível em: . Acesso em: 11/06/2016.

HASSEMER, Winfried; MUÑOZ CONDE, Francisco apud Rogério Greco. Curso de Direito Penal Parte Geral. 16 Ed Rio de Janeiro: Ed. Impetus, 2014.

JUPIASSÚ. Carlos Eduardo Adriano. O Tribunal Penal Internacional – A internacionalização do direito penal. Rio de Janeiro: Lumes Júris, 2004.

LOPES. Jodascil Gonçalves. Conflitos reais e aparentes entre as normas de direito interno e internacional sob o foco da Corte Penal Internacional. Tese (Mestrado). Centro Universitário de Maringá – UniCesumar, Maringá/PR, 2015.

PIOVESAN, Flávia. Temas de Direitos Humanos. São Paulo: Saraiva, 2009.

PORTELA, Paulo Henrique Gonçalves. Direito Internacional Público e Privado. Salvador: Ed. Juspodivm, 2015.

STEINER, Sylvia Helena F. Tribunal Penal Internacional – A proteção dos direitos humanos no século XXI. Revista do Advogado. Associação dos Advogados de São Paulo.

TRINDADE, Antônio Augusto Cançado. A interação entre o Direito Internacional e o Direito Interno na proteção dos direitos humanos. In: Tratado de Direito Internacional dos Direitos Humanos. 2 ed. Porto Alegre: Sergio Antônio Fabris, 2003, v. 1


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

 

Thesis Juris

 

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma  Licença Creative Commons Attribution 4.0