O “pós-positivismo” como um conceito erguido sobre compreensões reducionistas acerca do positivismo jurídico

Lúcio Grassi de Gouveia, Plínio Pacheco Clementino de Oliveira

Resumo


O presente artigo pretende responder à seguinte pergunta: o uso da expressão pós-positivismo envolve, ordinariamente, uma caracterização reducionista e equivocada do positivismo jurídico? Veremos que sim e que o positivismo não foi superado, mas transformado por desenvolvimentos que o tornaram um campo teórico que não é o mesmo da primeira metade do século XX. Justifica-se a presente pesquisa diante necessidade de efetuar um aprofundamento desse tema de grande complexidade e de promover esse intercâmbio de conhecimentos.  A cientificidade da pesquisa está diretamente relacionada à determinação dos métodos de estudo. Tendo em vista seu caráter teórico, será utilizado material preponderantemente bibliográfico, com ampla pesquisa em monografias, teses e artigos científicos, de forma a coletarmos as informações mais relevantes acerca do tema suscitado.

 


Palavras-chave


Pós-positivismo; Concepção reducionista; Positivismo.

Referências


ALEXY, Robert. Teoria de los Derechos Fundamentales. Traducción de Ernesto Garzón Valdés. Madrid: Centro de Estudios Constitucionales, 1993.

_______. The Argument from Injustice: A Reply to Legal Positivism. Translated by Stanley L. Paulson and Bonnie Litschewski Paulson. Oxford: Oxford University Press, 2004.

BARROSO, Luís Roberto. Curso de Direito Constitucional Contemporâneo: os conceitos fundamentais e a construção do novo modelo. São Paulo: Saraiva, 2009.

BIX, Brian. Law, Language, and Legal Determinacy. Oxford: Oxford University Press, 2003.

BOBBIO, Norberto. O Positivismo Jurídico: Lições de filosofia do direito. Tradução e notas de Márcio Pugliesi, Edson Bini e Carlos E. Rodrigues. São Paulo: Ícone, 1995.

BONAVIDES, Paulo. Curso de Direito Constitucional. 15ª ed. São Paulo: Malheiros, 2004

CALSAMIGLIA, Albert. Postpositivismo. Doxa: cuadernos de filosofía del derecho, Alicante, nº 21 I, p. 209-219, 1998.

CAMARGO, Margarida Maria Lacombe. Hermenêutica e Argumentação. Rio de Janeiro: Renovar, 2003.

CAMPBELL, Tom. Prescritive Legal Positivism: Law, Rights and Democracy. London: UCL Press, 2004.

CARVALHO, Aurora Tomazini de. Curso de Teoria Geral do Direito. O constructivismo lógico-semântico. 3ª ed (revista e ampliada). São Paulo: Noeses, 2013.

COLEMAN, Jules. The Practice of Principle: In defense of a pragmatist approach to legal theory. Oxford: Oxford University Press, 2003.

DIMOULIS, Dimitri. Positivismo Jurídico: introdução a uma teoria do direito e defesa do pragmatismo jurídico político. São Paulo: Método, 2006.

DWORKIN, Ronald. Taking Rights Seriously. Cambridge: Harvard University Press, 1978.

HART, H. L. A. Essays in Jurisprudence and Philosophy. Oxford: Oxford University Press, 2001.

_______. The Concept of Law. Oxford: Oxford University Press, 1994.

JUST, Gustavo. Guinada Interpretativa. In: Dicionário de Filosofia do Direito. Coordenação de Vicente de Paulo Barreto. Rio de Janeiro: Renovar, Unisinos, 2006.

_______. La jurisprudence herméneutique et son horizon: l’interprétation entre ses conditions et ses possibilités. Droits, Paris, nº 40, p. 219-243, 2004.

KELSEN, Hans. O problema da justiça. Tradução de João Baptista Machado. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

_______. Teoria Pura do Direito. Tradução de João Baptista Machado. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

MARMOR, Andrei (Org.). Direito e Interpretação: Ensaios de Filosofia do Direito. Tradução de Luís Carlos Borges. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

_______. Law in the Age of Pluralism. New York: Oxford University Press, 2007.

_______. Positive Law and Objective Values. Oxford: Oxford University Press, 2001.

NEVES, Antônio Castanheira. O actual problema metodológico da realização do direito. In: Digesta - Escritos acerca do Direito, do Pensamento Jurídico, da sua Metodologia e Outros. vol. 2.º. Coimbra: Coimbra Editora, 1995.

PASQUALINI, Alexandre. Hermenêutica e Sistema Jurídico: uma introdução à interpretação sistemática do direito. 1ª edição. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 1999.

RAZ, Joseph. The Authority of Law: Essays on Law and Morality. Oxford: Oxford University Press, 1979.

REGLA, Josep Aguiló. Positivismo y postpositivismo. Dos paradigmas jurídicos en pocas palabras. Doxa: cuadernos de filosofía del derecho, Alicante, nº 30, p. 665-675, 2007.

SAVIGNY, Friedrich Karl Von. Sistema del Derecho Romano Actual. Traducción de Jacinto Mesía y Manuel Poley. Tomo I. Madrid: F. Góngora y Compañía Editores, 1878.

SHAPIRO, Scott J. On Hart´s Way Out. In: COLEMAN, Jules (Ed.). Hart´s Postcript: Essays on the Postscript to the Concept of Law. Oxford: Oxford University Press, 2005.

VESTING, Thomas. Teoria do Direito. Uma introdução. Trad. Gercélia B. de O. Mendes. São Paulo: Saraiva, 2015.

WALDRON, Jeremy. Normative (or Ethical) Positivism. In: COLEMAN, Jules (Ed.). Hart´s Postcript: Essays on the Postscript to the Concept of Law. Oxford: Oxford University Press, 2005.

WALUCHOW, Wilfrid. Inclusive Legal Positivism. Oxford: Oxford University Press, 1994.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

 

Thesis Juris

 

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma  Licença Creative Commons Attribution 4.0