PROGRESSIVIDADE DO IMPOSTO DE RENDA DA PESSOA FÍSICA NO BRASIL: REALIDADE OU MITO?

André Felipe Canuto Coelho, Bruna Estima Borba

Resumo


O corrente artigo tem por objetivo demonstrar o baixo grau de concretização dos princípios da isonomia tributária e da capacidade econômica do imposto de renda da pessoa física (IRPF) no Brasil sob a ótica da progressividade. Utilizando metodologia de pesquisa qualitativa e método indutivo, parte-se do estudo do significado e da efetividade da progressividade do IRPF, associando-a aos princípios da isonomia e da capacidade econômica.  Conclui-se que há reduzido grau de progressividade na incidência do IRPF, em razão de tratamento favorecido e não progressivo dispensado aos rendimentos de capital em detrimento dos rendimentos do trabalho. Dados históricos demonstram ainda a mitigação deste atributo em razão da redução da quantidade de faixas e da diferença entre os limites máximo e mínimo das alíquotas.

 


Palavras-chave


Capacidade econômica. Imposto de renda. Progressividade.

Referências


ADAMS, Charles. For good and evil. The impact of taxes on the course of civilization. 2 ed. Lanham: Madison Books, 2001.

AMED, Fernando José e NEGREIROS, Plínio José Labriola de Campos. História dos tributos no Brasil. São Paulo: SINAFRESP, 2000.

BALEEIRO, Aliomar. Limitações constitucionais ao poder de tributar. 6 ed. Rio de Janeiro: Forense, 1985.

__________. Uma introdução à ciência das finanças. 16 ed. Rio de Janeiro: Forense, 2006.

BARROSO, Luís Roberto. Interpretação e aplicação da Constituição: fundamentos de uma dogmática constitucional transformadora. 7 ed. São Paulo: Saraiva, 2010.

BERLIRI, Antonio. Principi generali del diritto tributario. Bologna: Prof. Riccardo Pàtron, 1962.

BERLIRI, Luigi Vittorio. El impuesto justo. Madrid: Instituto de Estudios Fiscales, 1986.

BONAVIDES, Paulo. Curso de direito constitucional. 15 ed. São Paulo: Malheiros, 2004.

BRASIL. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. IBGE divulga renda domiciliar per capita 2015. 2016. Disponível em: .

BRASIL. Ministério da Fazenda. Secretaria da Receita Federal do Brasil. Carga Tributária 2014. Disponível em: < http://idg.receita.fazenda.gov.br/dados/receitadata/estudos-e-tributarios-e-aduaneiros/estudos-e-estatisticas/carga-tributaria-no-brasil/29-10-2015-carga-tributaria-2014 >.

BRASIL. Ministério da Fazenda. Secretaria da Receita Federal do Brasil. Análise da Arrecadação das Receitas Federais dezembro/2014. Disponível em: < http://idg.receita.fazenda.gov.br/dados/receitadata/arrecadacao/relatorios-do-resultado-da-arrecadacao/2014/dezembro2014/analise-mensal-dez-2014.pdf>.

BRASIL. Ministério da Fazenda. Secretaria da Receita Federal do Brasil. Tributos. IRPF. Disponível em: < http://idg.receita.fazenda.gov.br/acesso-rapido/tributos/irpf-imposto-de-renda-pessoa-fisica#tabelas-de-incid-ncia-mensal>.

BRASIL. Ministério da Fazenda. Secretaria da Receita Federal. Tributos. IRPF. Rendimentos de Capital. Disponível em: .

BRASIL. Ministério da Fazenda. Secretaria da Receita Federal do Brasil. Grandes números das declarações do imposto de renda das pessoas físicas. 2016. Disponível em: < http://idg.receita.fazenda.gov.br/dados/receitadata/estudos-e-tributarios-e-aduaneiros/estudos-e-estatisticas/11-08-2014-grandes-numeros-dirpf/grandes-numeros-dirpf-capa>.

CASTRO, Augusto Olympio Viveiros de. Tratado dos impostos. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1910.

COELHO, Sacha Calmon Navarro. Comentários à Constituição de 1988: sistema tributário. Rio de Janeiro: Forense, 1999.

CONTI, José Maurício. Princípios tributários da capacidade contributiva e da progressividade. São Paulo: Dialética, 1997.

COSTA, Alcides Jorge. Capacidade contributiva. Revista de direito tributário. São Paulo. V. 55, jan/mar 1991.

__________. História da Tributação: do Brasil-Colônia ao Imperial. In: SANTI, Eurico Marcos Diniz de (Coord). Curso de direito tributário e finanças públicas. São Paulo, Saraiva, 2008.

COSTA, Regina Helena. Princípio da capacidade contributiva. 3 ed.São Paulo: Malheiros, 2003.

ESCRIBANO, Francisco. La configuración jurídica del deber de contribuir. Perfiles constitucionales. Madrid: Civitas, 1988.

GODOI, Marciano Seabra de. Justiça, igualdade e direito tributário. São Paulo: Dialética, 1999.

GUTIERREZ, Miguel Delgado. O imposto de renda e os princípios da generalidade, da universalidade e da progressividade. Tese de doutoramento apresentada à Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. Disponível em: .

HENSEL, Albert. Diritto tributario. Milano: Dott. A Giuffrè, 1956.

MACHADO, Hugo de Brito. Os princípios da tributação na Constituição de 1988. 5 ed. São Paulo: Dialética, 2004.

MELLO, Celso Antônio Bandeira de. Conteúdo jurídico do princípio da igualdade. 3 ed. São Paulo: Malheiros, 1997.

MONTESQUIEU, Charles Secondat. Baron de. O espírito das leis. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

NABAIS, José Casalta. O dever fundamental de pagar impostos. Contributo para a compreensão constitucional do estado fiscal contemporâneo. Coimbra: Almedina, 1998.

__________. A face oculta dos direitos fundamentais: os deveres e os custos dos direitos. In: COSTA, José Manuel da (Org). Estudos em homenagem ao Conselheiro José Manuel Cardoso da Costa. Coimbra: Coimbra, 2003.

NÓBREGA, Cristóvão Barcelos da. História do imposto de renda no Brasil, um enfoque da pessoa física (1922-2013). Brasília: Receita Federal, 2014.

NOGUEIRA, Ruy Barbosa. Curso de direito tributário. 7 ed. São Paulo: Saraiva, 1986.

PENTEADO, João Caio Goulart. Capacidade contributiva. São Paulo: Centro de Estudos de Extensão Universitária. Resenha Tributária, 1989. Caderno de Pesquisas Tributárias, V. 14.

PEREIRA, Manuel Henrique de Freitas. Fiscalidade. 3 ed. Coimbra: Almedina, 2009.

RAWLS, John. A theory of justice. Cambridge: The Belknap Press of Harvard University, 1997.

SAMUELSON, Paul. Introdução à análise econômica. V. I. Rio de Janeiro: Agir, 1979.

SCHOUERI, Luís Eduardo. Normas tributárias indutoras e intervenção econômica. Rio de Janeiro: Forense, 2005.

SELIGMAN, Edwin R. A. L´impôt sur le revenue. Paris: M. Giard & E. Brière, 1913.

SIDOU, J. M. Othon. A natureza social do tributo. 2 ed. Rio de Janeiro: Forense, 1978.

SILVA, Fernando A. Rezende da. O Imposto sobre a renda e a justiça fiscal. Rio de Janeiro: IPEA/INPES, 1974.

SLEMROD, Joel e Bakija, Jon. Taxing ourselves. Cambridge, Massachusetts, Mit Press, 2004.

SMITH, Adam. A riqueza das nações. Volume III. Parte II. Impostos. 3 ed. São Paulo: Nova Cultural, 1988.

SOUSA, Rubens Gomes de. Ainda a distinção entre taxa e imposto. Revista de Direito Público, nº 21, 1972.

__________. Compêndio de legislação tributária. Rio de Janeiro: Edições Financeiras S/A, [1954?]

THE LAFFER CENTER. The Laffer curve. Disponível em: < http://www.laffercenter.com/the-laffer-center-2/the-laffer-curve/>.

TIPKE, Klaus e LANG, Joachim. Direito tributário. V. I. Porto Alegre: Fabris, 2008.

TIPKE, Klaus. Limites de la integración en el derecho tributario. In.: Rev. Esp. En Derecho Financiero. Nº 34. Córdoba: Civitas, 1982.

__________. Moral tributaria del estado y de los contribuyentes. Madrid: Marcial Pons, 2002.

WEBBER, Carolyn e WILDAVSKY, Adam. A history of taxation and expenditure in the Western World. New York: Simon and Schuster, 1986.

ZILVETI, Fernando Aurélio. Princípios de direito tributário e a capacidade contributiva. São Paulo: Quartier Latin, 2004.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

 

Thesis Juris

 

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma  Licença Creative Commons Attribution 4.0