A humanização do judiciário brasileiro pela aplicação prática da ética e justiça ao caso concreto

José Renato Nalini, Marcelo Gonçalves da Silva

Resumo


O vetor máximo para a interpretação da Constituição Federal é a dignidade da pessoa humana, de forma que uma realização prática dos direitos fundamentais e sociais consubstanciados nos artigos 5º e 6º constitui-se no caminho por excelência para o desenvolvimento humano e sustentável. Impõe-se que o positivismo legalista ideológico da Escola da Exegese e que tem influenciado muitos operadores do direito na contemporaneidade, seja preterido em face de uma metodologia humanística que ao caso concreto aplique uma axiologia objetiva e constitucional. Tendo em vista a grave crise política, econômica e ética que assola o país, o Judiciário brasileiro por se incumbir de dar concretude à norma e por ser o poder mais próximo da sociedade deve corresponder à expectativa social de justiça, ética e humanização nele depositada.


 


Palavras-chave


Desenvolvimento Humano; Justiça; Ética.

Referências


A CONSTITUIÇÃO E O SUPREMO: STF – Supremo Tribunal Federal (ADI 2.649. Rel. Ministra Carmen Lúcia, j. 8-5-2008. Publicação DJE: 17-10-2008). Disponível em: . Acesso em 07 mai. 2017.

AGOSTINHO, Santo. A Cidade de Deus. Tradução de J. Dias Pereira. volume I. 2 ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1996.

ARISTÓTELES. Ética a Nicômaco/poética. 4. ed. São Paulo: Nova Cultural, Digital Source, 1991. Tradução de Leonel Vallandro e Gerd Bornheim da versão inglesa de W.D. Ross. (e- book). (Coleção Os Pensadores, v. II).

BAEZ, Narciso Leandro Xavier et al. Os desafios dos Direitos Humanos Fundamentais na América Latina e na Europa. Joaçaba: Unoesc, 2012.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: . Acesso em 14 dez. 2018.

BILLIER, Jean-Cassien; MARYIOLI, Aglaé. História da filosofia do direito. Barueri: Manole, 2005.

BOBBIO, Norberto. A era dos direitos. Rio de Janeiro: Campus, 1992.

BULOS, Uadi Lamêgo. TEORIA DA INTERPRETAÇÃO CONSTITUCIONAL. Rio de Janeiro: R. Dir. Adm., 205, 1996. Disponível em: . Acesso em: 05 maio 2017.

CONSTITUIÇÃO E O SUPREMO – Versão Completa:: STF – Supremo ... (ADI 2661-5 MA. Rel. Ministro Celso de Mello. j. 5-6-2002. Publicação: DJ 23-8-2002 – STF – E. 2079 - 1, p. 92). Disponível em: . Acesso em 03 maio 2017.

DE LUCCA, Newton. Da ética geral à ética empresarial. São Paulo: Quartier Latin, 2009.

FERACINE, Luiz; DELLA MIRÀNDOLA, Giovanni Pico. A dignidade do homem. São Paulo: Escala, 2005. (Coleção Grandes Obras do Pensamento Universal, 26).

GABARDO, Emerson. Eficiência e legitimidade do Estado: uma análise das estruturas simbólicas do direito político. Barueri: Manole, 2003.

KAUFMANN, Arthur. Filosofia do direito. 4 ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2010.

MANELI, Mieczyslaw. A Nova retórica de Perelman: filosofia e metodologia para o século XXI. Barueri: Manole, 2004.

MANERO, Juan Ruiz. Bobbio y el positivismo. Espanha: REVUS, 2015. Disponível em: . Acesso em 07 mai. 2017.

MÁYNEZ, Eduardo García. Ética – Ética Empírica. Ética de bienes. Ética formal. Ética valorativa. 3ª ed., México: Porrúa, 1970.

______. La definición del derecho, ensayo de perspectivismo jurídico. México, 1948.

NALINI, José Renato. Ética geral e profissional. 7. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2009.

RADBRUCH, Gustav. Introdução à filosofia do direito. Tradução: Jacy de Souza Mendonça, 1965. Disponível em: . Acesso em: 15 maio 2017.

REALE, Miguel. Filosofia do direito. 20. ed. São Paulo: Saraiva, 2002.source

SILVEIRA, Vladmir Oliveira da et al. Justiça e [o paradigma da] eficiência. São Paulo: Revista dos Tribunais, Uninove, 2011.

STJ: PETICAO DE RECURSO ESPECIAL: REsp 1199893 (STJ - REsp: 1.199.893 – SP: 2010/0061378-6. Rel. Ministro Luiz Fux. Data de Publicação: DJ 17/12/2010). Disponível em: . Acesso em 07 mai. 2017.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

 

Thesis Juris

 

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma  Licença Creative Commons Attribution 4.0