REPRESENTATIVIDADE FEMININA NA POLÍTICA: A EFICÁCIA DO SISTEMA DE COTAS E A REFORMA POLÍTICA

FABRICIO VEIGA COSTA, SRA DALVANEY APARECIDA DE ARAÚJO

Resumo


No Brasil existe um déficit de representatividade de gênero expresso na ínfima representatividade das mulheres nas esferas de poder. Isso constitui um reflexo da sociedade patriarcal brasileira. Para se tentar reverter esse cenário, instituiu-se as políticas de cotas nas Leis 9.100/95 e 9.504/97. Contudo, essa inserção não representou um aumento significativo. E, agora, na reforma política, outras propostas de cotas de inclusão da mulher vêm sendo desenhadas no Congresso Nacional. Em virtude disso, pretende-se analisar no presente artigo se essas inserções representarão avanços no combate a esse déficit ou se outras teorias como a participação paritárias devem ser adotadas para que ocorra, factualmente, a representatividade feminina no cenário político. A metodologia foi realizada pelo método indutivo hipotético numa abordagem crítico-comparativa, mediante pesquisa bibliográfica e documental.


Palavras-chave


Representatividade Feminina; Reforma Política; Sistema de Cotas.

Referências


ALVES, Branca Moreira, PITANGUY, Jacqueline. O Que é Feminismo?. 8. ed. São Paulo: Brasiliense. 2003.

ARAÚJO, Clara. As cotas por sexo para a competição legislativa: o caso brasileiro em comparação com experiências internacionais. Dados, v. 44, n. 1, 2001, p. 231.

ARAÚJO, Clara. A interseção entre gênero e partidos políticos no acesso das ulheres às instâncias de representação. Brasília, 2003. Disponível em: . Acesso em: 17 jul 2017.

ARCHENTI, Nélida. “El proceso hacia la paridad en América Latina. Argentina y Costa Rica, experiências comparadas” IN: Revista de Derecho Electoral, N. º 17, Enero-Junio, 2014.

ARCHENTI, Nélida; Tula, Maria Inés. “Cambios normativos y equidad de género. De las cuotas a la paridade en América Latina: los casos de Bolivia y Ecuador” IN: América Latina Hoy, núm. 66, enero-junio, 2014, pp. 47-68 ,2014

BOLÍVIA. Codigo Electoral. Texto ordenado de la Ley nº 1984. Decreto Supremo nº 28429, 1º de noviembre de 2005 Disponível em: http://pdba.georgetown.edu/Electoral/Bolivia/Leyes/codigoelectoralordenado.pdf. Acesso em: 17 jul 2017.

BANCO MUNDIAL. “Gender Stats”. Disponível em: http://data.worldbank.org/data-catalog/gender-statistics. Acesso em: 09/11/2012.

BAREIRO et al. “La ciudadanía de las mujeres en las democracias de las Américas”. Comisión Interame-ricana de Mujeres. OEA documentos oficiales; OEA/Ser. 2013.

BRASIL, Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. 16. ed. São Paulo: Editora RIDEEL, 2016.

BRASIL, Lei nº 9096, de 19 de setembro de 1995. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9096.htm. Acesso em: 17 jul. 2017.

BRASIL, Lei nº 9.100, de 29 de setembro de 1995. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9100.htm. Acesso em: 17 jul. 2017.

BRASIL, Lei nº 9504, de 30 de setembro de 1997. Estabelece normas para as eleições. Disponível em: http://www.planalto.gov.br /ccivil_03/leis/L9504.htm. Acesso em: 17 jul. 2017.

BRASIL, Lei 12.034, de 29 de setembro de 2009.. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/lei/l12034.htm. Acesso em: 17 jul. 2017.

BRASIL, Lei n. 13.165, de 29 de setembro de 2015. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13165.htm. Acesso em: 17 jul. 2017.

CÂMARA DOS DEPUTADOS. Proposta de Emenda à Constituição N. 282 de 2016. Brasília, 2016. Disponível em http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?id Proposicao=2118401. Acesso em 17. Jul. 2017.

CÂMARA DOS DEPUTADOS. Comissão especial para análise, estudo e formulação de proposições relacionadas à reforma política. Relator: Vicente Candido. Brasília, 2017. Disponível em: http://infogbucket.s3.amazonaws.com/arquivos/2017/04/04/relato-rio-reforma-poli-tica.pdf. Acesso em: 17. Jul. 2017.

CAZENEUVE, Bernard. Discours pour à l'occasion des journées nationales des femmes élues, le 4 novembre 2016 à Paris. Disponível em: https://www.interieur.gouv.fr/Archives/Archives-des-actualites/2016-Actualites/Journees-nationales-des-femmes-elues Acesso em 25 jul. 2017.

CHAGAS, Carolina. As mulheres e a política na Alemanha: as cotas de gênero e a democracia interna partidária. Revista Ballot - Rio de Janeiro, V. 1 N. 2, Setembro/Dezembro 2015, pp. 123-139. Disponível em: file:///H:/eleitoral/22129-71221-1-SM.pdf. Acesso em 25 jul. 2017.

COMPARATO, Fábio Konder. A afirmação histórica dos direitos humanos. 10 ed. Sâo Paulo: Saraiva, 2015.

ESTADÃO. Ex-ministra do TSE cobra paridade entre homens e mulheres em eleições. Breno Pires e Rafael Moraes Moura, O Estado de S.Paulo

Maio 2017 | 14h25. Disponível em: http://politica.estadao.com.br/noticias/geral,ex-ministra-do-tse-cobra-paridade-entre-homens-e-mulheres-em-eleicoes,70001771852. Acesso em 23 jul. 2017.

FRANCE, Loi n° 2000-493 du 6 juin 2000 tendant à favoriser l’égal accès des femmes et des hommes aux mandats électoraux et fonctions électives. Le Journal Officiel. Lois et Décrets 131, 7 Juin 2000, p. 8560.

GOMES, José Jairo. Direito Eleitoral. 12 ed. São Paulo: Atlas, 2016.

HTUN, M. A Política de Cotas na América Latina. Revista Estudos Feministas. 2001. P. 225-230.

IDEA Internacional. Quota Project: Global Data base of Quotas for Women. Disponível em: http://www.telegraph.co.uk/news/general-election-2015/politics-blog/11593854/Votes-Per-Seat-for-each-party.html. Acesso em: 23. jul. 2016

INTER-PARLIAMENTARY UNION. Women in national parliaments: World classification.23.07.2017 Disponível em: http://www.ipu.org/wmn-e/classif-arc.htm. Acesso em: 23 jul. 2017.

LOBO, Edilene. A paridade como direito fundamental da democracia substancial no Brasil: mulher na política. Anais do V Encontro Internacional do CONPEDI Montividéu - Uruguai. Teorias da democracia e direitos políticos. Coordenadores Armando Albuquerque de Oliveira, Yamandu Acosta Roncagliolo. Florianopolis: CONPEDI, 2016.

MACHADO, Marlene Campos. Ranking de presença feminina no Parlamento 2017. Projeto Mulheres Inspiradoras. Disponível em: http://www.marlenecamposmachado.com.br/documentos/pequisa-presenca-feminina-no-parlamento.pdf. Acesso em: 20 jul. 2017

MARTINEZ, María Antonia; GARRIDO, Antonio. “Representación descriptiva y sustantiva: la doble brecha de género en América Latina”. Revista Mexicana de Sociología, v. 75, n. 3, 2013, p. 407-438.

MATLAND, Richard E. "Estrategias para ampliar la participación femenina en el Parlamento: el proceso de selección de candidatos legislativos y los sistemas electorales". In: IDEA. Mujeres en el Parlamento: más allá de los números. Estocolmo, 2002, p. 111-134.

MUÑOZ, Óscar Sanches. La igualdad de oportunidades en las competiciones electorales. Madrid: Centro de Estudios Políticos y Constitucionales, 2007, p. 154-157.

ORGANIZAÇÃO DAS NACÕES UNIDAS. Paridade de gênero: por um planeta 50-50 em 2030. Um passo decisivo para a igualdade de gênero. Disponível em: http://www.onumulheres.org.br/planeta5050-2030/paridade/ Acesso em 23 jul. 2017.

PÉREZ, Verónica. “Las mujeres en política en Uruguay. De la cuota a la paridad: una reforma necesaria”. Facultad de Ciencias Sociales. Universidad de la República, Uruguay. Policy paper N°5. 2015.

PINTO, Céli R. J. Uma história do feminismo no Brasil. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2003, p. 13.

PRA, PLATAFORMA DA IV CONFERÊNCIA MUNDIAL SOBRE A MULHER. Pequim, 1995. Disponível em: http://www.unfpa.org.br/Arquivos/declaracao_beijing.pdf. Acesso em 31 jul. 2017.

RAEVAARA Eeva, Les débats sur les quotas en Finlande et sur la parité en France : des politiques du changement ?. Cahiers du Genre, 2009/2 (n° 47), p. 169-196. DOI : 10.3917/cdge.047.0169. URL : http://www.cairn.info/revue-cahiers-du-genre-2009-2-page-169.htm

SENADO FEDERAL. Proposta de Emenda à Constituição n.º 98, de 2015. Apresentada como conclusão do relatório parcial n. º 6 da Comissão Especial de Reforma Política. Disponível em: file:///H:/eleitoral/MATE_TI_171440.pdf. Acesso em: 15 jul. 2017;

SCOTT, J. La querelle de femmes” no final do século XX. Revista Estudos Feministas, v. 9, n. 2, 2001, p. 379.

SCOTT, J. O enigma da igualdade. Revista Estudos Feministas v.13, n.1, p.11-30, janeiro/abril 2005.

SUFFRAGETTE. Longa-metragem, ano 2015. Direção Sarah Gravon. Drama Histórico. Reino Unido. Lançamento: 24 de dezembro de 2015. Universal Pictures.

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL. Estatísticas Eleitorais 2016 – Resultados. Disponível em http://www.tse.jus.br/eleicoes/estatisticas/estatisticas-eleitorais-2016/resultados. Acesso em 20 ju. 2017.

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL. Estatísticas Eleitorais 2016 – Resultados. Disponível em http://www.tse.jus.br/eleicoes/estatisticas/estatisticas-candidaturas-2014/estatisticas-eleitorais-2014-eleitorado. Acesso em 20 ju. 2017

TRIPP, Aili. Female representation: the global impact of quotas. Working Paper Esterni, Milano, n. 6, abr. 2008, p. 338-361.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

 

Thesis Juris

 

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma  Licença Creative Commons Attribution 4.0