A “CONSTITUCIONALIZAÇÃO DA POLÍTICA”: IMPASSES ENTRE O CONSTITUCIONALISMO E A DEMOCRACIA

Geziela Iensue

Resumo


O presente artigo busca analisar a relação de aparente conflito entre o constitucionalismo comumente entendido como um conjunto de limitações ao poder estatal, e a democracia comumente encarada como o poder da maioria. Procura-se sustentar que o constitucionalismo não se opõe à democracia; ao contrário o constitucionalismo oportuniza, preserva e protege a democracia para as gerações vindouras, na forma de compromissos prévios, aqui entendidos, como princípios e normas pactuadas pelo poder originário, com vistas à organização política, a separação dos poderes e aos direitos e garantias fundamentais. Para tanto, se evidencia que o constitucionalismo ao instituir as restrições constitucionais ao invés de se apresentarem como antidemocráticas são reforços à democracia, ou seja, podem produzir ou melhorar a liberdade, haja vista que o constitucionalismo não viabiliza tão somente a proteção, mas também os mecanismos de defesa das minorias.

 

 


Palavras-chave


Constitucionalismo. Democracia. Direitos e garantias fundamentais. Minorias.

Referências


ACKERMAN, Bruce. Nós, o povo soberano: fundamentos do Direito Constitucional. Trad. Mauro R. de Mello. Belo Horizonte: Del Rey, 2006.

BONAVIDES, Paulo. Ciência Política.16. ed. São Paulo: Malheiros, 2009.

BUCHANAN JR., James McGill., TULLOCK, Gordon. The Calculus of Consent: Logical Foundations of Constitucional Democracy. 1962.

CAETANO, Marcello. Manual de Ciência Política e Direito Constitucional. Tomo I. 6. ed. Coimbra: Almedina, 2009.

CANOTILHO, José Joaquim Gomes. Direito Constitucional e Teoria da Constituição. 7 ed. Coimbra: Almedina, 2003.

DAHL, Robert. Poliarquia: participação e oposição. Trad. Celso M. Paciornik. São Paulo: Edusp, 2005.

DANTAS, Ivo. Constituição & Processo. 2. ed. rev., atual. e ampl. Curitiba: Juruá, 2007.

_____. O valor da Constituição: do controle de constitucionalidade como garantia da supralegalidade constitucional. 2. ed. rev. e aum. Rio de Janeiro: Renovar, 2001.

ELY, John Hart. Democracia e desconfiança: uma teoria do controle judicial de constitucionalidade. Trad. Juliana Lemos. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2010.

ELSTER, Jon. Ulisses liberto: estudos sobre racionalidade, pré-compromisso e restrições. Trad. Cláudia Sant’Ana Martins. São Paulo: Editora UNESP, 2009.

________. Constitucionalism and Democracy. Cambridge University Press.

FERRAJOLI, Luigi. Derechos y garantías: la ley del más débil. Trad. Perfecto Andrés Ibáñez e Andres Greppi. 4. ed. Madrid: Trotta, 2004.

GARGARELLA, Roberto. La justicia frente al gobierno: sobre el carácter contramayoritário del poder judicial. Barcelona: Ariel, 1996.

LEFORT, Claude. A invenção democrática: os limites do totalitarismo. São Paulo: Brasiliense, 1991.

LIPJHART, Arend. Modelos de Democracia. São Paulo: Civilização Brasileira, 2003.

MIRANDA, Jorge. Manual de Direito Constitucional. Tomo III. Estrutura constitucional do Estado. 5. ed. Coimbra: Coimbra, 2004.

NAPOLITANO, Giulio; ABRESCIA, Michele. Analisi economica del diritto pubblico. Milão: Il Mulino, 2009.

NINO, Carlos Santiago. La Constitución de la Democracia deliberativa. Barcelona: Gedisa, 1997.

NOVECK, Scott M. Is Judicial Review Compatible With Democracy? Cardozo Public Law, Policy & Ethics Journal, vol. 6, n. 2, 2008.

TAVARES, André Ramos. Teoria da Justiça Constitucional. São Paulo: Saraiva, 2005.

WEBER, Max. Ensaios de Sociologia. 5. ed. Trad. Waltensir Dutra. Rio de Janeiro: LTC, 2002.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

 

Thesis Juris

 

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma  Licença Creative Commons Attribution 4.0