Participação popular e revisão do plano diretor: garantia de adequada atuação do gestor municipal

Carlos Alberto Lunelli, Ailor Carlos Brandelli

Resumo


A revisão decenal do plano diretor municipal decorre da previsão legal do Estatuto da Cidade. Esse procedimento implica intervenção mínima do gestor municipal, que inaugura o processo de revisão e conduz sua tramitação, disponibilizando à coletividade, para avaliação e votação, as propostas de mudanças a serem implementadas. A discricionariedade administrativa é limitada à condução do processo e não ao mérito da revisão. A revisão em si será o resultado das decisões decorrentes das audiências públicas e precipuamente, da participação popular. Para tanto, é imperioso disponibilizar à sociedade, de forma clara e completa, todos os instrumentos de comunicação necessários para a apreciação dos dados técnicos que justificariam a alteração do plano diretor e o cotejo do que se pretende alterar com as normas já existentes. Qualquer condução diversa importa em ato ímprobo, passível de condenação, uma vez que na relação urbanística o cidadão é o ator principal da revisão e o principal destinatário da norma.


Palavras-chave


Participação popular; Legitimidade; Revisão; Improbidade.

Referências


BACHELET, Michel. Ingerência ecológica: direito ambiental em questão. 4. ed. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2005.

BARBÉ, Esther. Relações internacionais. Madrid: Tecnos, 1995.

BOBBIO, Norberto. Teoria da norma jurídica. Tradução de Fernando Pavan Baptista e Ariani Bueno Sudatti: São Paulo: Edipro, 2003.

GARCIA, Emerson e ALVES, Rogério Pacheco. Improbidade administrativa. 4. ed. Rio de Janeiro: Ed. Lúmen Júris, 2008.

LUNELLI, Carlos Alberto. MARIN, Jeferson. Judicialização da Política, processo constitucional e legitimação para agir no controle abstrato de constitucionalidade. Revista da Faculdade de Direito/UCS, n. 15, Caxias do Sul: Educs. 2006.

MARIN, Jeferson. A constituição desconstituída: antecedentes históricos e o retrato das crises do estado moderno. Revista Científica do Instituto de Pesquisa Cenecista, Bento Gonçalves: FACEBG, Ano 3, no. 3, dez./2005.

MORGENTHAU, Hans. Política entre las naciones: la lucha por El poder e la paz. Tradução de Heber W. Oliveira. 2. ed. Buenos Aires: Grupo Editorial

Latinoamericano, 1986.

MUKAI, Toshio. O Estatuto das Cidades: anotações à Lei 10.257, de 10 de julho de 2001. SÃO PAULO: Saraiva, 2001.

PONTE NETO. José Júlio. Poder público local e cidadania: atores políticos sociais na construção da democracia participativa no município de Fortaleza: uma análise dos anos de 1990 a 2004. FORTALEZA: Universidade de Fortaleza, 2008.

RECH, Adir Ubaldo. A exclusão social e o caos nas cidades. Caxias do Sul (RS): EDUCS, 2007.

RECH, Adir Ubaldo; BÜHRIN, Márcia Andréia. Sustentabilidade Urbana. In: BOFF, Salete Oro et tal. (orgs). Propriedade intelectual, gestão da inovação e desenvolvimento: novas tecnologias e sustentabilidade. [s.l]: Deviant. 2015.

RECH, Adir Ubaldo; RECH, Adivando. Cidade Sustentável, direito urbanístico e ambiental: instrumentos de planejamento. Caxias do Sul: EDUCS, 2016.

SIMIONI, Rafael Lazzarotto; ROCHA, Leonel Severo. A forma dos conflitos ecológicos na perspectiva de Niklas Luhmann. In Direito ambiental e biodireito: da modernidade à pós-modernidade. Org. Agostinho O. K. Pereira e Cleide Calgaro. Caxias do Sul, RS: Educs, 2008.

SPAREMBERGER, Raquel Fabiana Lopes; MARTINS, Ezequiel. Desenvolvimento e direito ambiental: a gestão democrática das cidades para a sustentabilidade. In Direito ambiental e biodireito: da modernidade à pós-modernidade. AGOSTINHO PEREIRA, O. K.; CALGARO, Cleide (orgs). Caxias do Sul, RS: Educs, 2008.

SOUZA. Leonardo da Rocha de. Direito ambiental e democracia deliberativa. Jundiaí: Paco Editorial, 2013.

TOBA, Marcos Maurício. Do Plano Diretor. In MEDAUAR, Odete. ALMEIDA, Fernando Dias Menezes de. Estatuto da Cidade. Lei 10.257 de 10.07.2011. Comentários. 2. ed. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2004.

VASQUEZ. Guillhermo Hoyos. La Filosofia Política de Jürgen Habermas. Revista Ideas y Valores, nº 116. Universidad Nacional de Colômbia. Bogotá: Colômbia, agosto 2001, p. 132-144. p. 141. Disponível em https://revistas.unal.edu.co/index.php/idval/article/view/29235. Acesso em: 17 abr. 2018.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

 

Thesis Juris

 

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma  Licença Creative Commons Attribution 4.0