Sustentabilidade: Em Busca de Significados

Luciana Poli, Bruno Ferraz Hazan

Resumo


Verificando a existência de diversas nuances da sustentabilidade, o texto apresenta algumas contribuições para o debate do tema. Partindo da análise de parte da obra de Foucault, investigam-se os constantes intercâmbios entre o discurso em produção e outros discursos, com as instituições sociais e o poder que elas expressam, de forma a verificar se a sustentabilidade pode ser concebida como discurso ideológico. O trabalho questiona se a sustentabilidade está erigida em ideais da modernidade de forma a hegemonizar e uniformizar o sistema, funcionando como engrenagem do capitalismo. Propõe, finalmente, a reflexão sobre o conteúdo normativo, ou não, da sustentabilidade, indicando que poderia ser compreendida como um princípio geral e sistêmico

Palavras-chave


Sustentabilidade; Meio Ambiente; Princípio Sistêmico.

Referências


ALPHANDÉRY, Pierre; BITOUN, Pierre; DUPONT, Yves. O equívoco ecológico: perspectivas ecológicas. Tradução de Fátima Leal Gaspar. Lisboa: Instituto Piaget, 1991.

BAGWELL, Laurie Simon; BERNHEIM, B. Douglas. Veblen effects in a theory of conspicuous consumption. The American Economic Review. vol. 86, n. 3, jun. 1996, p. 349-373.

BARROSO, Luís Roberto. Fundamentos teóricos e filosóficos do novo direito constitucional brasileiro: pós-modernidade, teoria crítica e pós-positivismo. Revista Diálogo Jurídico, Salvador, CAJ – Centro de Atualização Jurídica, v. 1, n. 6, setembro, p. 1-32, 2001. Disponível em: Acesso em: 2 set. 2013.

BAUDRILLARD, Jean. La société de consommation: ses mythes, ses structures. Paris: Denoël, 1970.

BAUMAN, Zygmunt. Danos colaterais: desigualdades sociais numa era global. Tradução de Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 2013.

BECK, Ulrich. La sociedad del riesgo: hacia una nueva modernidad. Tradução de Jorge Navarro, Daniel Jiménez, María Rosa Borrás. Barcelona: Paidós, 1998.

BENJAMIN, Antônio Herman. O Estado teatral e a implementação do direito ambiental. In: Congresso Internacional de Direito Ambiental, 7, 2004, São Paulo. Anais... São Paulo: IMESP, 2004.

BOBBIO, Norberto. Teoria do ordenamento jurídico. Brasília: Universidade de Brasília. 1999.

BRUNDTLAND, Gro Harlem. Nosso futuro comum: comissão mundial sobre meio ambiente e desenvolvimento. 2. ed. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1991. Disponível em: . Acesso em: 2 set. 2013.

CANOTILHO, José Joaquim Gomes. Estado de direito. Lisboa: Gradiva, 1999. (Colecção Cadernos Democráticos, v. 7).

CAPRA, Fritjof. O Ponto de mutação: a ciência, a sociedade e a cultura emergente. 25. ed. São Paulo: Cultrix, 1982.

CAPRA, Fritjof. A teia da vida: uma nova compreensão científica dos sistemas vivos. São Paulo: Cultrix, 1998.

CHALIFOUR, Nathalie J. Land use law for sustainable development. Cambridge: Cambridge University Press, 2007.

CHAMON JUNIOR, Lúcio Antônio. Teoria geral do direito moderno: por uma reconstrução crítico discursiva na alta modernidade. Rio de Janeiro: Lúmen Júris, 2003.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. O que é a Filosofia? Tradução de Bento Prado Jr. e Alberto Alonzo Muñoz. Rio de Janeiro: Ed.34, 1992.

FARIA, José Henrique de. Por uma teoria crítica da sustentabilidade. In: NEVES, Lafaiete Santos (Org.). Sustentabilidade: anais de textos selecionados do V seminário sobre sustentabilidade. Curitiba: Juruá Editora, 2011.

FONTENELLE, Isleide Arruda. Consumo, fetichismo e cultura descartável. In: ANTAS JR., Ricardo Mendes (Org.). Desafios do consumo. Petrópolis: Vozes, 2007.

FOSTER, John Bellamy. A ecologia de Marx: materialismo e natureza. Tradução de Maria Tereza Machado. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.

FOUCAULT, Michel. A verdade e as formas jurídicas. Rio de Janeiro: PUC, 1974.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. Tradução de Laura de Almeida Sampaio. São Paulo: Edições Loyola, 2001.

FREITAS, Juarez de. A interpretação sistemática do direito. 4. ed. São Paulo: Malheiros, 2004.

KEINERT, Tania Margarete Mezzomo; KARRUZ, Ana Paula; KARRUZ, Silvia Maria. Sistemas locais de informação e a gestão pública da qualidade de vida nas cidades. In: KEINERT, Tania Margarete Mezzomo; KARRUZ, Ana Paula, Qualidade de vida: observatórios, experiências e metodologias. São Paulo: Annablume/FAPESP, 2002.

LEFF, Enrique. Saber Ambiental: sustentabilidade, racionalidade, complexidade, poder. Tradução de Lúcia Mathilde Endlich Orth. 6. ed. Petrópolis: Vozes, 2008.

LIMA, Gustavo da Costa. O discurso da sustentabilidade e suas implicações para a educação. Ambiente e sociedade, jul/dez 2003, vol. 6, n. 2, p. 99-119. Disponível em: . Acesso em: 2 set. 2013.

MILARÉ, Edis. Direito do ambiente: doutrina, jurisprudência, glossário. 5 ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2007.

OLIVEIRA, Marcelo Andrade Cattoni de. Tutela jurisdicional e estado democrático de direito. Belo Horizonte: Del Rey, 1997.

PINTO COELHO, Saulo de Oliveira; ARAÚJO, André Fabiano Guimarães de. A sustentabilidade como princípio constitucional sistêmico e sua relevância na efetivação interdisciplinar da ordem constitucional econômica e social: para além do ambientalismo e do desenvolvimentismo. Revista da Faculdade de Direito de Uberlândia, Uberlândia, v. 39, n. 1, p. 261-291, 2011. Disponível em: . Acesso em: 2 set. 2013.

PONTES DE MIRANDA, Francisco Cavalcanti. Sistema de ciência positiva do direito. 2. ed., vol. IV. Rio de Janeiro: Editor Borsoi, 1972.

PRIEUR, Michel. De l’urgente nécessité de reconnaître le principe de non régression en droit de ’environnement In: OLIVEIRA, Carina Costa; SAMPAIO, Romulo Silveira R. (Org.). A economia verde no contexto do desenvolvimento sustentável: a governança dos atores públicos e privados. Rio de Janeiro: FGV, Direito Rio, 2011. Disponível em: . Acesso em: 2 set. 2013.

RIBEIRO, Gustavo Lins. Ambientalismo e desenvolvimento sustentado: nova utopia do desenvolvimento. Revista de Antropologia, nº 34, 59-101, São Paulo: USP, 1991.

RICOUER, Paul. Le juste. Paris: Éditions du Seiu, 1991.

SACHS, Ignacy. Ecodesenvolvimento: crescer sem destruir. São Paulo: Vértice, 1986.

SILBERSTEIN, Michael; MCGEEVER, John. The Search for Ontological Emergence. In: The Philosophical Quarterly, Vol. 49, No. 195, abr. 1999.

VECCHIA, Agostinho Mario Dalla. Aspectos da metodologia em biodança. Revista pensamento biocêntrico, n. 01, out/dez 2004, Disponível em: . Acesso em: 2 set. 2013.

VEIGA, José Eli da. Desenvolvimento sustentável: desafio do século XXI. Rio de Janeiro: Garamond Universitária. 2006.

VIOLA, Eduardo J.; OLIVIERI, Alejandro. Globalização, sustentabilidade e governabilidade democrática no Brasil. In: TRINDADE, Antônio Augusto Cançado; CASTRO, Marcus Faro de (Org.). A sociedade democrática no final do século. Brasília: Paralelo 15, 1997.

WHITACKER, Guilherme Magon. Sobre o discurso ideológico do desenvolvimento sustentável e a reprodução do modo capitalista de produção. Boletim Goiano de Geografia (Online). Goiânia, v. 33, n. 1, p. 83-99./jan/abr. 2013. Acesso em: 2 set. 2013.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

 

Thesis Juris

 

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma  Licença Creative Commons Attribution 4.0